6 de junho de 2016 • 11:13 am

Maceió » Saúde

Posto de Bebedouro está sem fita para medir a glicose desde outubro

A denúncia contra a Prefeitura foi feita em programa de rádio por líder comunitário que cobrou o secretário Nonô

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Da porta de entrada do posto municipal de saúde, em Bebedouro, o líder comunitário, José Cirilo, ligou para o radialista França Moura e disparou: – Seu França, desde outubro que esse posto não tem fita glicosímetra para os pacientes.

-E isso é verdade? Indagou o âncora do programa Cidadania na rádio Correio. -É desde outubro seu França. -Reafirmou o denunciante.

Segundo ele, foi necessário alertar a sociedade e aos usuários dos postos de saúde em Maceió, por que recentemente  o Secretário Municipal de Saúde, José Thomaz Nonô, havia dito que os problemas de medicamentos nos postos de saúde estavam todos resolvidos.

-Ele disse aí mesmo a você em seu programa, França Moura.

-Foi mesmo?

-Foi sim. E agora eu quero dizer a ele que venha o olhar esse posto onde falta tudo.

Antigo – Mas o problema da falta de medicamentos nos postos de saúde da gestão do prefeito Rui Palmeira já é bem antigo. Foi por esta razão que em março deste ano o juiz Antonio Emanuel Dória Ferreira, da 14ª Vara Cível da Capital, condenou o município de Maceió a fornecer, mensalmente e por tempo indeterminado, insulina glargina 100UI/ml, na quantidade de três canetas descartáveis, e 30 agulhas (8mm) para aplicação do medicamento, a uma portadora de diabetes mellitus tipo 2.

O prefeito Rui Palmeira (PSDB) se negou a fornecer o medicamento, mesmo com a decisão judicial, alegando, entre outros argumentos, que esse tratamento pleiteado não deveria ser fornecido pelo município. Ele quer que o Estado de Alagoas e a União também respondam pela demanda. Pelo que acontece atualmente nos postos a Prefeitura continua a desrespeitar a decisão judicial.

No Estado – Mas, Cirilo, o líder comunitário, também reclamou da falta de medicamentos na farmácia do Estado para os pacientes diabéticos. Segundo afirmou, desde novembro não há insulina na farmácia. E foi por esta razão que usuários do sistema de saúde fizeram uma manifestação de protesto, cobrando os remédios que faltam para os diabéticos.

Deixe o seu comentário