23 de agosto de 2016 • 5:51 pm

Brasil

Prefeito do Rio diz que sucesso de Olimpíadas se deve a Lula e Dilma

“Seria injusto não reconhecer o papel do presidente Lula, da presidente Dilma”, Eduardo Paes

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O prefeito Eduardo Paes acredita que é preciso reconhecer o papel do ex-presidente Lula e da presidente afastada Dilma Rousseff para a realização da Olimpíada no país. Em entrevista ao jornal El País, questionado se o governo interino teria se aproveitado do evento para se beneficiar politicamente, o peemedebista comentou que a “Olimpíada foi fruto de um trabalho de muitas mãos”.

“Seria injusto não reconhecer o papel da presidente Lula, da presidente Dilma, do Cabral, do Pezão… O Michel Temer foi super colaborativo, entendeu a importância do evento. Quanto mais gente quer aparecer, mais feliz vou ficar. O presidente Temer ajudou muito. Esse recurso de 3 bilhões que deu para o governo do Estado foi mais dinheiro do que já tinha sido colocado até então”, ressaltou Eduardo Paes ao jornal.

Eduardo Paes destacou que sempre foi “otimista” em relação à realização dos Jogos — “a gente sabia o que estava fazendo” –, e apontou para as “críticas malucas” e “absurdos” que falavam sobre a cidade-sede dos Jogos de 2016, que ele acompanhou “incrédulo.

"Não tem jeitinho. Tudo foi muito planejado"
“Não tem jeitinho. Tudo foi muito planejado”

As pessoas adoram falar do jeitinho brasileiro que resolve tudo. Não tem jeitinho. Tudo foi muito planejado. É óbvio que tudo pode ter uma necessidade e aí o jeitinho brasileiro ajuda muito. Agora, tudo foi muito planejado. Não me surpreendeu. A questão da mobilidade, que é o enorme desafio, a gente sabia o que tinha mudado. Para mim não foi surpresa. O que me surpreendeu foi o exagero das criticas no período anterior”, apontou o prefeito.

De acordo com ele, a cidade está com “tudo encaminhado” para realizar uma “bela” Paralimpíada. “Temos uma gestão fiscal bem feita. Agora, não estamos numa ilha, estamos dentro Brasil. Se o Brasil está nessa recessão, óbvio que vamos sentir. Mas acho que já sobrevivemos ao momento mais difícil. A gente reduziu nossa dívida, temos folha de pessoal sob controle, custeio sob controle. É uma questão de competência e capacidade de gestão. A situação é mais confortável do que a que eu encontrei.”

Paes criticou ainda o governo estadual do Rio. “Quero acreditar que o Governo do Estado vai continuar tocando um projeto de segurança pública sem enfrentar esses sobressaltos malucos como não pagar salários. Isso realmente não dá pra aceitar”, reforçou.

Sobre o sucesso do Boulevard Olímpico e o funcionamento pós-Jogos, Paes informou que a ideia é prosseguir com o que já vinha sendo feito, com “artista de rua, food truck, restaurante funcionando…”

Questionado sobre o projeto original de reforma da região portuária, que incluía um plano de habitação popular, o prefeito informou que este “exige muito ativismo estatal”, e que é preciso atrair o mercado imobiliário, que está parado devido à crise. “Então, o mercado retomando, metade dos Cepacs [títulos para financiar operações urbanas consorciadas que recuperam áreas degradadas nas cidades] obrigatoriamente vão para residência.”

Deixe o seu comentário


Publicidade