4 de maio de 2015 • 7:03 pm

Política

Prefeitos condenam retórica ‘bonita e falsa’ em torno do Pacto Federativo

Célia Rocha: – Para quem tem vergonha na cara é difícil não poder executar as promessas de campanha e administrar do jeito que está. São quatro anos ladeira abaixo, só de dificuldades.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Célia Rocha: ataques a politica econômica.

Célia Rocha: ataques a politica econômica.

Os prefeitos alagoanos condenaram a retórica “bonita e falsa” de parlamentares e do governo federal em relação ao Pacto Federativo. Durante a exposição do relator da Comissão Especial da Câmara, deputado André Moura, sobre os termos do pacto, ele teve de ouvir inúmeros prounciamentos de gestores municipais indignados com a crise financeira e o tratamento injusto que recebem do Planalto.

Dura em seu sua fala, a prefeita de Arapiraca, Célia Rocha, disse que é preciso acabar com “a retórica bonita e falsa de dizer que é nas cidades onde tudo acontece, mas, na prática não se tem ações concretas que amenizem o drama municipal”.  E foi mais além quando bradou: – Para quem tem vergonha na cara é difícil não poder executar as promessas de campanha e administrar do jeito que está. São quatro anos ladeira abaixo, só de dificuldades.

Marcius Beltrão, de Penedo, tem uma preocupação a mais que é também a questão do ICMS, hoje praticamente concentrado no Sudeste. Ele também avalia que as mudanças que venham a acontecer no Pacto federativo sejam incluídas na Constituição para que não venham sofrer processos de judicialização, a exemplo dos royalties que estão no STF há anos sem uma definição.

Prefeito de Quebrangulo, Manoel Tenório, a prefeita de Mar Vermelho Juliana Almeida e o prefeito de Pão de Açúcar Jorge Dantas reforçaram a necessidade da correção das injustiças e desigualdades. “Principalmente os parlamentares do Nordeste e Nordeste precisam ter esse compromisso com a região. Como explicar que o valor do piso de um profissional em São Paulo, cujos municípios não dependem exclusivamente do FPM, pode ser o mesmo em Alagoas?”, questionou Dantas. De Batalha, o prefeito Aloisio Rodrigues foi além e citou o Semiárido como sendo uma área ainda mais carente e esquecida.

“É por isso que os prefeitos precisam subscrever o relatório e pressionar durante a votação, exatamente como as categorias fazem no plenário. Nossos representantes precisam ouvir o que a população está pedindo”, acrescentou Marcelo Beltrão. “A AMA tem feito tudo que é possível, mas precisamos da união de todos e a mobilização, nesse momento, pode fazer a diferença”, garantiu Marcelo.

O Relator deputado André Moura sabe da responsabilidade que tem para corrigir as distorções no relatório mas pede apoio aos prefeitos para que mostrem aos parlamentares federais a importância do voto em favor do municipalismo. “A Casa (Câmara Federal) quer votar para salvar os municípios, disse ele, mas sabemos como é difícil retirar dinheiro da União”, afirmou André Moura.

Presente à reunião, o Deputado Marx Beltrão disse que o sentimento dos prefeitos também precisa ser dos deputados e senadores e, ao reconhecer as desigualdades prometeu votar a favor das mudanças.

Representando a Assembleia Legislativa, o deputado Bruno Toledo quer levar essa discussão para o plenário e criar um ambiente onde os parlamentares possam se integrar ao movimento em defesa dos municípios.

Deixe o seu comentário