16 de junho de 2015 • 6:59 pm

Cotidiano

Prefeitos reclamam da lentidão do governo RF e exigem ajuda para contra a seca

Na AMA, prefeitos reclamaram da burocracia do governo estadual para liberar os recursos do Fecoep. R$ 1,5 milhão.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Sem água, o drama do sertanejo se repete.

Sem água, o drama do sertanejo se repete.

Prefeitos do sertão alagoano que têm convivido com a seca prolongada decidiram

A água virou lama.

A água virou lama.

pressionar o governador Rean Filho (PMDB) para que ajude aos municípios que estão enfrentando sérias dificuldades com a falta d’água.

Eles alegam que quatro meses depois que o governo autorizou a liberação de uma ajuda emergencial de R$ 1,5 milhão do Fecoep, a operação Água é Vida, da Defesa Civil Estadual, ainda não saiu do papel, tamanha é a burocracia para entrar em operação.

A reclamação é geral com a homologação do governo nos novos decretos de emergência, renovados pelos municípios do Sertão e Semi árido. Diante do fato, prefeitos de 38 municípios resolveram pedir audiência em bloco ao governador para que  problema seja resolvido.

A reunião com os prefeitos e coordenadores municipais mostrou a insatisfação com a forma como a execução da operação está sendo encaminhada. Os prefeitos reconhecem a necessidade dos trâmites e da transparência, mas também não aceitam a lentidão dos órgãos estaduais envolvidos no processo.

Segundo a Defesa Civil a operação está pronta e pode ser executada tão logo os novos decretos sejam homologados. Ela levará água potável a comunidades não abastecidas pelo Exército.  É um paliativo de apenas um mês enquanto os recursos federais para ampliação da operação Pipa e para as adutoras de engate rápido não chegam, disse o coordenador estadual Major Moisés.

Em algumas cidades o quadro é desolador. Prefeitos estão com investimentos mensais superiores a R$ 100 mil reais para garantir o abastecimento da população, como Pão de Açúcar e São José da Tapera que já acumula um débito de R$ 300 mil com carros Pipa. Cidades como Minador do Negrão, Estrela de Alagoas e Dois Riachos podem entrar em colapso porque até na zona urbana a água não chega mais. Há casos, diz o prefeito Jorge Dantas, que há mais de um ano a zona urbana não recebe água da Casal e sugere que o Ministério Público peça explicações a companhia que é responsável pelo abastecimento.

O representante da AMA no Comitê estadual da Seca, Avânio Feitosa diz que os gestores precisam ser ouvidos porque estão dia a dia convivendo com os problemas e as aflições das pessoas. “Os prefeitos não querem condenar, mas tirar os entraves. Todos estão cansados de tantas reuniões e tão poucas ações”, disse o prefeito concordando com prefeitos como Celso Luiz, de Canapi, Aloísio Rodrigues, de Batalha, Mario Silva, de Santana do Ipanema, Socorro Ferro, do Minador do Negrão, Manoel Tenório, de Quebrangulo, Jarbas Ricardo, de São José da Tapera, Gildo Rodrigues, de Poço das Trincheiras que foram duros nas críticas a demora do governo. “Seca é guerra e não dá para esperar um amanhã”, afirmou o prefeito de Batalha.

Durante a reunião, prefeitos também denunciaram a falta de operação de muitos poços artesianos construídos e a necessidade do abastecimento individual das cisternas distribuídas pelo governo federal.

Deixe o seu comentário