23 de fevereiro de 2017 • 8:40 am

Blogs » Fátima Almeida

Prontos para a greve: Policiais civis entregam cargos e devolvem diárias

Ato marcado para esta quinta-feira precede a greve da categoria marcada para a véspera carnaval

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

 

A última rodada de negociação, dia 16, foi encerrada sem acordo – Foto: Ascom Sindpol

Eis aí um grande problema para o Governo, para a Segurança Pública, e para a sociedade. O Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) está convocando a categoria para o ato de entrega de todas as funções gratificadas, na Delegacia Geral de Polícia, em Jacarecica, às 9h desta quinta-feira (23), às vésperas do carnaval. O Sindpol também orienta os policiais civis a devolverem as diárias do Carnaval – um aviso de que  ninguém vai viajar a trabalho.

Por que? Protesto contra a estagnação nas negociações do Governo com a categoria, que se arrastam desde o ano passado. Em nome da crise que se alastrou pelo país inteiro, os policiais civis, assim como as demais categorias do serviço público estadual, fecharam o ano de 2016 sem conseguir, a reposição da inflação, que é direito constituído. E a paciência da espera está  dando sinais de esgotamento.

As tentativas de avanço já realizadas este ano, não progrediram até agora, e os sinais são de que o discurso dos salários em dia justificando para justificar a falta de reajuste vai prevalecer.

O resultado? A sociedade a mercê da própria sorte. A manifestação desta quinta-feira é apenas um prenúncio do que pode piorar. Faz parte das atividades de mobilização que antecedem a deflagração da greve por tempo indeterminado, decidida em assembleia da categoria, marcada para esta sexta-feira (24).

E sobre isso, causa arrepio só de pensar no que aconteceu em outros estados. Basta citar o Espírito Santo, que registrou cenas de terror e morte durante seis dias de greve dos policiais.

Certo que aqui temos a Polícia Militar, que de fato e de direito faz o policiamento ostensivo, e não está com nenhum movimento grevista articulado. Mas, como prender, se não tiver policiais civis nas delegacias para receber os presos? Como registrar ocorrências?

Necessário o bom senso, de ambas as partes – governo e sindicato – para não deixar desprotegidos quem paga a conta desse desacordo.

A sociedade precisa desse entendimento. E JÁ!

 

Deixe o seu comentário