17 de julho de 2017 • 12:33 pm

Blogs » Marcelo Firmino

PT e PSDB com as maiores rejeições na sociedade brasileira: o preço a pagar

PT demonizado e tucanos seguindo rastro com as bençãos do governo Temer

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Demonizado por grande parte da sociedade que reage bem aos conceitos de direita no País, o PT vai sofrer muito para se livrar da rejeição adquirida. Terá que se reinventar para seguir em frente e se livrar de uma série de estigmas que o acompanham nesses tempos bicudos, onde tudo é possível, inclusive o rolo compressor contra o estado de direito democrático.

Uma missão para os petistas nada fácil de superar. O partido tem hoje uma rejeição de 56%, segundo algumas pesquisas no plano nacional, muito embora as estatísticas ainda apontem Luis Inácio Lula da Silva, como o candidato preferido dos brasileiros, seguido muito de perto por Jair Bolsonaro, o candidato mais à direita, politicamente falando, na vida pública brasileira.

Mas, o que chama a atenção nos números das pesquisas que se espalham – e são vários os institutos – é que o PSDB, o partido dos tucanos, vai seguindo o mesmo rastro de rejeição. A última pesquisa do instituto brasiliense Poder360 indica que o PSDB hoje sofre uma rejeição de 51% da sociedade.

Ora, isso leva a crer que há uma fadiga imensa no País em relação a postura do partido de “sugar o bem bom” e ficar em cima do muro na hora de decidir questões importantes no meio político. Como, por exemplo, no caso do governo de Michel Temer, onde o PSDB vai ficando com seus 4 ministros agarrados aos cargos, entre outras benesses asseguradas aos seus parlamentares pelo próprio Temer, o primeiro presidente da República a ser denunciado pela justiça por corrupção passiva, na história do Brasil. O aval do PSDB tem de fato um preço, incluindo aí o desgaste apontado pela pesquisa.

Mas, tudo isso tem a ver, sobretudo, com o figurão Aécio Neves. Ele ex-presidente do partido e ex-candidato a presidência da República que estimulou o povo a ir às ruas em busca do chamado “terceiro turno” no País, após perder as eleições nas urnas para Dilma Rousseff (PT). O terceiro turno veio travestido de luta contra a corrupção do PT no poder. Assim foi até culminar com o impeachment da Presidente petista. Até esse momento o senso comum dizia que a corrupção só existia de um lado.

Com o passar dos tempos e os vários discursos do senhor Neves no Senado, condenando a corrupção dos adversários, eis que ele é flagrado em gravação, apresentando-se tão corrupto quanto os demais. E o pior: Cobrou uma propina de R$ 2 milhões e ainda sugeriu matar o “carregador da mala” se este fizesse delação. O mundo então desabou para os que achavam que fosse ele um santo a ser guardado em oratório.

Nos dois casos há que se pagar o preço pelos erros históricos . Afinal, cedo ou tarde a sociedade cobra.

Mas, tomara que o faça sempre pela via legal.

 

 

Deixe o seu comentário