25 de novembro de 2015 • 7:20 pm

Política

PT nega solidariedade ao senador preso, Delcídio Amaral

Presidente do partido emite nota dizendo que o PT não se julga obrigado a qualquer gesto de solidariedade.

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O PT não vai prestar solidariedade ao líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), e vai reunir a Comissão Executiva Nacional para decidir que medidas adotar em relação ao senador. A informação foi divulgada pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, em nota divulgada há pouco (leia a íntegra abaixo). No texto, Falcão ressalta que os atos que levaram à prisão de Delcídio não têm qualquer relação com sua atividade partidária, “seja como parlamentar ou como simples filiado”.

“Por isso mesmo, o PT não se julga obrigado a qualquer gesto de solidariedade”, escreveu Falcão, que se disse “perplexo” com “os fatos que ensejaram” a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de prender o senador, seu chefe de gabinete e o banqueiro André Esteves, dono do Banco BTG/Pactual. O advogado Edson Ribeiro, que defendia o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, também teve a prisão decretada, mas ainda está em liberdade, porque está nos Estados Unidos. Eles são acusados de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

Mais cedo, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), também afastou o governo dos atos atribuídos a Delcídio. “É importante registrar que não há em nada do que foi dito até agora qualquer tipo de envolvimento ou participação do governo”, disse. “Não há nenhum fato patrocinado pelo governo. Tudo o que foi dito até agora são questões que correm totalmente ao largo do governo”, acrescentou.

Gravação feita pelo filho do ex-diretor da Petrobras mostra que o senador tentou impedir a delação premiada de Cerveró, oferecendo-lhe ajuda de fuga, uma mesada de R$ 50 mil e R$ 4 milhões para o seu advogado. Em troca, Cerveró se comprometeria a não fazer acordo de delação premiada ou não envolver o senador na investigação. Segundo as investigações, André Esteves forneceria os recursos para viabilizar o acordo.

Eis a íntegra da nota divulgada pelo presidente do PT:

O presidente Nacional do PT, perplexo com os fatos que ensejaram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de ordenar a prisão do Senador Delcídio do Amaral, tem a dizer o seguinte:

1- Nenhuma das tratativas atribuídas ao senador tem qualquer relação com sua atividade partidária, seja como parlamentar ou como simples filiado;

2- Por isso mesmo, o PT não se julga obrigado a qualquer gesto de solidariedade;

3- A presidência do PT convocará, em curto espaço de tempo, reunião da Comissão Executiva Nacional para adotar medidas que a direção partidária julgar cabíveis.

Brasília, 25 de novembro de 2015.

Rui Falcão

Presidente Nacional do PT

 

Deixe o seu comentário