30 de julho de 2016 • 8:11 pm

Maceió » Política

PT reúne militância e define candidatura de Paulão a prefeito de Maceió

O PT sai sozinho na disputa eleitoral e indicou o advogado Ricardo Barbosa como candidato a vice.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Com o tema “eu quero uma Maceió diferente”, o Partido dos Trabalhadores realizou, neste sábado (30),  no Clube Fênix Alagoana, a convenção municipal quando homologaou os nomes do deputado federal Paulão, para prefeito, e do advogado Ricardo barbosa, presidente do diretório municipal de Maceió, como candidato a vice-prefeito. Além deles, foram homologados 18 candidatos e candidatas à Câmara Municipal de Vereadores.

A conevnção petista

A conevnção petista

Na convenção, Paulão disse que aceitou a pré-candidatura como uma missão do partido neste momento difícil da legenda. A ideia, segundo afirmou, é enfrentar todas as adversidades com altruísmo e expor com respeito e firmeza o conceito de cidade repartida, hoje vivenciado em Maceió, onde dois candidatos tentam polarizar no processo eleitoral representando classes distintas de ricos e pobres.

O pré-candidato afirmou que sua proposta é pensar a cidade para sair da mesmice e fazer uma gestão voltada a todos, mas com total respeito aos direitos dos desassistidos, desvalidos, e dos segmentos sociais cada vez mais ameaçados pela intolerância das elites políticas que se sentem donas da vida e da morte.

Uma cidade diferente – Na visão do petista, as cidades se transformaram em grandes aglomerações urbanas, verdadeiros “templos da desigualdade”. Nelas amontoam-se milhares de pessoas para quais as políticas públicas urbanas existem para facilitar o lucro dos mais ricos, não oferecendo nenhuma alternativa de uma vida digna a maioria da população. “Faltam opções de moradia, transporte, saúde, educação, segurança, lazer e cultura, verdadeiramente”, observou.

Conforme Paulão, Maceió insere-se nessa dinâmica excludente. “Com uma população de mais de 1 milhão de pessoas, a cidade acumula quase  metade da riqueza do Estado (R$29,5 bilhões). Uma riqueza a serviço de poucos. Maceió é uma cidade territorialmente repartida por desigualdades absurdas. O Índice de Desenvolvimento Humano  (IDH) demonstra essa vergonhosa divisão”, destacou.

Ele ainda ressaltou que uma criança que nasce em uma área pobre da cidade possivelmente viverá 10 anos a menos que outra que nasce em um bairro  rico, lembrando que na renda média mensal das pessoas a situação de desigualdade aparece de forma marcante em Maceió, pois há localidades onde a renda é de pouco mais de R$200,00 e em outras, supera R$4 mil.

Paulão também citou a questão da violência, que segundo ele é outra face perversa da cidade repartida. “É uma violência homicida, especialmente contra a juventude negra, pobre e das periferias. A taxa de homicídios colocou Maceió no 1º lugar entre as capitais no vergonhoso ranking do genocídio da juventude”, pontuou.

Essas são questões que o PT pretende discutir para buscar a concretização de seu  projeto de uma cidade diferente, capaz de garantir os direitos sociais, os direitos dos mais pobres, dos trabalhadores, dos jovens e das mulheres, os direitos humanos, enfim a síntese do direito à cidade.

Deixe o seu comentário