22 de fevereiro de 2017 • 7:59 am

Brasil

Publicidade de Temer deve gastar R$ 208 milhões em um ano

A conta será dividida om três agências 26 estão concorrendo. Algumas com vinculações políticas

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O Palácio do Planalto recebeu ontem à tarde, 2ª feira (20.fev.2017), as propostas de 26 agências interessadas no contrato de publicidade da Presidência da República. O valor da conta é de R$ 208 milhões por 1 período de 12 meses.

Serão contratadas 3 agências para substituir as atuais licitadas –Leo Burnett, Propeg e Nova/SB. O compromisso pode ser renovado ao término de vigência do documento.

Entre as 26 concorrentes, pelo que se sabe, estão 4 de capital estrangeiro:

  • DPZ&T
  • Leo Burnett
  • PBC Comunicação (Publicis)
  • Y&R.

Em teoria, essas empresas tem 1 nível mais alto de compliance. Ajudariam a afastar suspeitas de irregularidades.

Mas logo de saída já se observa 1 conflito de interesses: Roberto Justus é dirigente da Y&R e ao mesmo tempo 1 dos integrantes do CDS (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social), o Conselhão.

Conheça a lista das 26 agências que concorrem ao contrato:

  1. Agnelo Pacheco Criação e Propaganda
  2. Agência Plá de Comunicação e Eventos
  3. Ampla Comunicação
  4. Arcos Propaganda
  5. Artplan Comunicação
  6. AV Comunicação e Marketing
  7. Bees Publicidade Comunicação & Marketing
  8. Box Comunicação Eireli
  9. Calia Y2 Propaganda e Marketing
  10. CCZ Publicidade e Marketing
  11. Costa Publicidade e Propaganda
  12. DPZ&T Comunicações
  13. Fields Comunicação
  14. Fischer América Comunicação Total
  15. Giacometti & Associados Comunicação
  16. Heads Propaganda
  17. Leo Burnett Publicidade
  18. Multi Solution Publicidade e Comunicação
  19. Nova/SB Comunicação
  20. Perfil 252 Comunicação Completa
  21. PBC Comunicação
  22. PPR – Profissionais de Publicidade Reunidos
  23. Propeg Comunicação
  24. RC Comunicação
  25. Rino Publicidade
  26. Y&R Propaganda

A escolha final vai passar pelas mãos do presidente Michel Temer, do ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, e do secretário de Comunicação, Márcio de Freitas.

As propostas agora serão analisadas por uma subcomissão técnica formada por 3 integrantes: 2 com vínculos funcionais com a Presidência da República (José Bello Souza Francisco e José Carlos Ramalho Junior) e 1 sem vínculo funcional com o Planalto (Roberto Constante Filho). Não há prazo para a decisão. Leia a ata de sorteio da comissão.

Bello foi diretor de publicidade da revista IstoÉ. A publicação mantém boas relações com o governo Temer.

ALGUMAS CONCORRENTES

A Calia tem 1 time experiente de publicitários. O vice-presidente de Operações e Financeiro da agência é Gustavo Mouco. Ele é irmão de Elsinho Mouco, o publicitário do PMDB nacional e consultor informal de imagem de Michel Temer.

Pela proximidade do marqueteiro presidencial, é provável que a Calia fique fora do Planalto. A agência tem chance de conquistar 1 contrato em alguma grande estatal, segundo apurou o Poder360. Ainda que as regras de compliance sejam bem rígidas na licitação de mais de R$ 500 milhões da Petrobras, a petroleira é citada como uma das estatais que pode acabar com a Calia.

Propeg é uma das 3 atuais agências que atendem a Secom (as outras duas são Nova S/B e Leo Burnett). Trata-se de uma gigante na prestação de serviços a governos. Trabalhou nas administrações de Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma. Fez a bem-sucedida campanha de conscientização da população durante o apagão de 2001. Nos últimos anos, por causa de citações indiretas na Lava Jato, tem chances reduzidas na atual licitação da Secom,

Fundada por Roberto “Rock in Rio” Medina, a Artplan tem trânsito fácil nos mundos político e empresarial fluminenses. Mas há 1 problema: o bom relacionamento com o ex-presidente da Câmara Henrique Alves (PMDB).

A Fischer América é quase 1 “house organ” do grupo J&F de Joesley Batista. O trabalho foi sempre bem avaliado, inclusive para o Banco Original, projeto da J&F que foi tocado por Henrique Meirelles. O ministro da Fazenda mantém boa relação com Eduardo Fischer.

Deixe o seu comentário