4 de abril de 2016 • 8:44 am

Brasil

Rede lança nesta terça-feira a proposta de uma nova eleição no País

Partido de Marina espera atrair apoio de representantes da sociedade e de movimentos sociais, além de personalidades políticas

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O partido Rede Sustentabilidade vai lançar nesta terça-feira, 05, sua campanha “Nem Dilma Nem Temer, NovaEleição é a Solução”, em um ato no Hotel Nacional, em Brasília.

Os porta-vozes nacionais da legenda, Marina Silva e José Gustavo Fávero Barbosa, além de membros da Executiva Nacional e da bancada do partido na Câmara e no Senado, estarão presentes no evento, marcado para as 12h. Em nota, o partido também critica a saída do PMDB do governo, que chamou de “jogada oportunista”.

Marina: na defesa de novas eleições

Marina: na defesa de novas eleições

Em nota enviada à imprensa, o partido explica que espera atrair também representantes da sociedade e de movimentos sociais, além de “personalidades políticas” de outras legendas e simpatizantes.

“Para a Rede, a solução para a atual e grave crise política do país não está nem na presidente Dilma Rousseff, nem no seu vice Michel Temer, porque ambos são responsáveis pela atual situação do Brasil. Por isso, a realização de um novo pleito é a melhor forma de enfrentar todo esse contexto, ao devolver à sociedade a opção de rever sua opção através do voto”, diz o Rede em nota.

O partido também defende que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) seria a instituição com legitimidade para decidir sobre a cassação da chapa Dilma/Temer. Destacou ainda que a saída do PMDB do governo é “apenas uma jogada oportunista para tentar se descolar da responsabilidade pela crise política e a distribuição dos cargos agora vagos a partidos igualmente implicados nas denúncias da Lava-Jato”.

“Na avaliação do partido, tanto a presidente quanto o vice são igualmente responsáveis pelos graves momentos da conjuntura brasileira”, completa o Rede. “A Rede acredita que só uma nova eleição dará legitimidade ao novo Governo capaz de liderar o país para a renovação política, ética e moral.”

1 Comentário

  1. NOVAS ELEIÇÕES DE VELHAS AVES DE RAPINAS OU ASTUTAS RAPOSAS E DE LOBOS VORAZES DE SEMPRE!
    Joilson Gouveia*
    Desesperados, cientes, ciosos e convictos de que estão na iminência de imediata defenestração do “puder” – aonde chegaram e já estão há quase três lustros e nada fizeram, ciaram, inovaram, reformaram, investiram ou construíram “nessepaiz”- eis que um genial, iluminado e perleúdo assinala, sinaliza e busca a salvação mediante Proposta de Emenda à Constituição – PEC de “novas eleições” de velhacas aves de rapinas ou astutas raposas ou dos mesmos de sempre, numa célere “VOTAÇÃO DIGITAL”, naquelas mesmas “invulneráveis, intangíveis, inatacáveis, invioláveis e imaculadas URNAS ELETRÔNICAS”! Pasmem!
    E, por que tudo isso? Todos estardalhaços, celeumas, imbróglios, busílis e brilhante açodada, incontinenti, urgente e imediata “solução”? Simples: porque, em face do pugnado, pleiteado e protocolizado do Processo de IMPEDIMENTO, AFASTAMENTO, CASSAÇÃO e eventual PRISÃO, que segue seu normal rito, rumo e curso, mediante o ministrado, apropriado, adequado, devido, urgente e prescrito senão já tardio remedium juris ético-jurídico-político-democrático de que dispõe o soberano povo – FATOR REAL DE PODER – nas sociedades cidadãs, urbanas, civilizadas, politizadas e democráticas, aquelas que vivem num país ou nação que se diz ou pretende ser um Estado Democrático, Humanitário e de Direito, institucionalizado na Carta Cidadã de 1988, um Direito-Garantia do indivíduo, pessoa, sujeito, homem, cidadão e eleitor, dentre seus Fundamentais Direitos Civis e Políticos.
    Os iluminados olvidam premissas, preceitos e princípios fundamentais constitucionais de cernes pétreos, espezinham, desdenham, atropelam e menoscabam parâmetros, limites e liames legais, constitucionais e infraconstitucionais mediante PEC’s MP’ e decretos que exorbitam, agridem e ofendem ostensiva, clara, pública e transgressivamente, para mantença do Status Quo Ante.
    O escopo, objetivo e finalidade é o mesmo de sempre: para não arredar pé do “puder, nem perder suas benesses, mordomias, sinecuras enquanto comensais perdulários do Erário.
    Daí o engodo, ardil e logro de plesbicito sobre isso ou referendum sobre aquilo ou eleições diretas urgentes, para escolha dos mesmos ditos cujos carcarás sanguinolentos vendilhões ou mercadores de mandatos “outorgados” pelo povo, que os põe, mas não os depõem! Notem que não propõem nada disso para os afastar e os defenestrar de seus cargos, em casos que tais, mormente em flagrantes, incontestes e comprovados delitos ou malfeitos de malversação do Erário, improbidade administrativa ou crimes de responsabilidade e de lesa-pátria, de evasão de divisas e de riquezas ou enriquecimento ilícito ou ilegal em face do famigerado, ignominioso, perverso e odioso “foro privilegiado de função”.
    Um verdadeiro escudo protetor ou MANTO DE IMPUNIDADE, que, ainda tem, como ultima ratio ou trincheira alguns togados escarlates “totalmente acovardados” e decretados indultos de comutação ou de PERDÃO de condenados, que foram processados, julgados e condenados pela própria Justiça; enquanto os demais mortais apodrecem nas masmorras sem quase nenhuma revisão criminal!
    Já dissemos, repetimos, questionamos e reiteramos, a saber:
    As mesmas urnas digitais eletrônicas -, que dizem ser imaculadas, invioláveis e invulneráveis (do que duvido e não acredito e reitero o desafio de provarem que houve lisura, transparência, legal e legítima vitória da atual presidentA), – poderiam ser usadas para o sim ou o não, para o “fica” ou o “sai”, mas desde que, óbvia, clara e evidentemente, o voto seja impresso, manifesto, palpável, contável, concreto e real, para que seja computado, contado e recontado, para dirimir quaisquer dúvidas por ventura existentes. Vide mais sobre o tema, a saber:
    a) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/06/poder-emana-do-povo-e-em-seu-nome-sera.html;
    b) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/10/todo-poder-emana-do-povo-sera.html, e;
    c) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/03/desdenham-ou-brincam-ou-olvidam-aos.html.
    Enfim, já que tudo “nessepazi” se resolve com urgentes “eleições diretas”, que tal eleições diretas para impedimento, afastamento e cassação de chefes de executivos e de parlamentares desidiosos, ímprobos, inescrupulosos e criminosos pública, notória, ostensiva notada e transparentemente, além de célere, eficiente, producente, iria economizar tempo e dinheiro dos contribuintes; ou não?
    Abr
    *JG

Deixe o seu comentário