2 de agosto de 2016 • 10:52 am

Política

Renan adverte: Eletrobrás só privatiza a Ceal se pagar R$ 1 bilhão ao Estado

Governador chamou a atenção da sociedade para as dificuldades financeiras do Estado

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O governador Renan Filho disse hoje que não é contra a privatização da Eletrobrás e considerou que o Brasil precisa privatizar o que for deficitário nas mãos da União, atualmente. No entanto, advertiu que para privatizar a Ceal o governo precisa indenizar o Estado. Se não o fizer ele garante que vai judicializar a questão e em isso acontecendo o processo de privatização pára prejudicando, na visão dele, ambas as partes.

RF: déficit da previdência é R$ 1 bilhão.

RF: déficit da previdência é R$ 1 bilhão.

Isto é, o prejuízo para a União se dá por que ela fica  impedida de dar continuidade ao processo de privatização da Eletrobrás e para o Estado fica o prejuízo de esperar muito mais tempo pela indenização que lhe é devida.

O governo estadual vai lutar para receber o que tem direito neste caso. Pelas contas originais o valor nas contas da Eletrobrás seria de R$ 290 milhões. na data da venda da companhia para a União. No entanto, para o governador Renan Filho, esse foi o valor inicial, que hoje com as correções de mercado vai para mais de R$ 1 bilhão. “O Estado não pode abrir mão. Eu quero que eles paguem”, declarou.

Déficit – O governador ainda falou sobre a situação financeira do Estado e disse que “não está fácil”. Segundo ele, o comprometimento da receita corrente líquida com a folha de pagamento é de 49%. Não há mais como crescer na visão de Renan Filho. Se isso acontecer, diz, o Estado vai quebrar “e nós passaremos a discutir outra agenda que não esta de realizações como acontece agora”. A declaração se deu durante a abertura do Centro de Recuperação e Fisioterapia do Estádio Rei Pelé e na solenidade da ordem de serviço da reforma estrutural das cadeiras especiais.

Ele lembrou que o Estad0 tem despesas que não pode fugir delas como o pagamento mensal da dívida e a previdência, cujo déficit é em torno de R$ 1 bilhão. Essas são questões que precisam ser    observadas pelo conjunto da sociedade, segundo afirmou, inclusive pelos servidores públicos “por que se acontece em Alagoas quebradeira como em outros Estados – Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte por exemplo – quem é mais pobre terá muito mais dificuldade de se levantar”.

 

Governador chamou a atenção da sociedade para as dificuldades financeiras do Estado

Deixe o seu comentário


Publicidade