22 de setembro de 2015 • 5:54 pm

Política

Renan decide adiar a pauta bomba para salvar o governo Dilma

Senadorddiz que derrubada dos vetos é o pior que pode acontecer ao governo nesta hora.

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

“O mais recomendável é adiar”. O alerta foi dado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) sobre a pauta dos vetos do goveno as matérias financeiras do Congresso que impactam em mais de R$ 30 bilhões nas contas públicas.

Temendo a derrubada dos vetos pelo clima de insatisfação da base aliada com o governo, Renan disse que vai conversar com os líderes  “para que façamos isso com a maior responsabilidade”.

Segundo ele, a derrubada do veto a projetos da chamada “pauta-bomba” é “o pior” que pode acontecer ao país neste momento, de aprofundamento de crise econômica e política. ”O pior que pode haver para o Brasil é realizarmos essa sessão do Congresso, potencializando o risco da desarrumação fiscal.”

Três vetos, particularmente, preocupam o Palácio do Planalto: o que impediu o reajuste médio de 59,5% para os servidores do judiciáio, o que barrou uma proposta alternativa ao chamado fator previdenciário (que reduz o valor das aposentadorias precoces) e o que evitou a aplicação do mesmo índice de correção do salário mínimo às aposentadorias.

O Palácio do Planalto teme que a eventual derrubada desses vetos anule os cortes pretendidos para o ajuste fiscal. O governo estima em R$ 23,5 bilhões o impacto de uma eventual derrubada dos vetos. Já os cortes anunciados devem ficar em R$ 26 bilhões.

Renan disse que os parlamentares precisam manter o compromisso com a responsabilidade fiscal. Segundo ele, o Congresso tem ajudado o governo a reequilibrar as contas. “Ainda no passado nós reduzimos a meta de superavit, votamos o Orçamento apenas em março, votamos todas as medidas do ajuste [fiscal enviadas pelo governo ao Congresso], inclusive a reoneração [da folha de pagamento] e apresentamos uma agenda de reformas estruturais”, declarou.

 

Deixe o seu comentário