8 de março de 2016 • 9:00 pm

Política

Renan: momento político pede serenidade dos agentes públicos

Senador disse que não é seu papel tocar fogo na crise

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senadp declarou que nesta terça-feira, 08, que o momento político que o país atravessa pede serenidade dos agentes públicos e que, na condição de presidente do Congresso Nacional, não é seu papel “botar fogo na crise”.

Renan: é preciso serenodade.

Renan: é preciso serenodade.

“Mais do que nunca, é preciso ter bom senso, serenidade e equilíbrio. O papel do presidente do Congresso Nacional é exatamente esse. A sociedade está sendo bombardeada por informações, por boatos por disse-me-disse. Cabe ao presidente do Congresso Nacional, mais do que nunca, preservar o equilíbrio e a harmonia entre os poderes.”

Renan lembrou que, em 1964, o ex-senador Auro de Moura Andrade presidiu uma sessão na qual foi declarada vaga a Presidência da República. Segundo Renan, nessa época o Senado teve um presidente que passou do limite do equilíbrio e fraturou a democracia.

Convenção – Questionado sobre a  Convenção Nacional do PMDB, que será realizada em Brasília no próximo sábado, Renan Calheiros disse que o recomendável é que o partido aproxime suas correntes internas. “Quanto mais representativa for a Executiva, melhor. Seria uma demonstração salutar de que a legenda está compreendendo as circunstâncias do país” afirmou.

O presidente do Senado recebeu hoje o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), um dos agraciados com o Prêmio Bertha Luz, entregue na manhã de hoje em sessão solene da Casa. O prêmio homenageia pessoas que contribuíram para a luta pelos direitos da mulher e para questões de gênero.

Na saída da sessão, o ministro comentou as manifestações que estão sendo organizadas para o próximo domingo, 13,  pelas redes sociais contra a corrupção e a também a mobilização do PT em defesa do ex-presidente Lula e e do governo da presidenta, Dilma Rousseff.

“São forças antagônicas. As manifestações devem ocorrer de acordo com o Estado Democrático de Direito, mas que cada seguimento tenha seu dia. Não interessa ao povo brasileiro o conflito”, concluiu Marco Aurélio.

Deixe o seu comentário