6 de Fevereiro de 2018 • 8:15 am

Justiça » Saúde

Rio Largo: Justiça determina interdição de unidade de internação

Local estaria funcionando sem a estrutura necessária; decisão é da juíza Marclí Guimarães de Aguiar

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A juíza Marclí Guimarães de Aguiar, da 1ª Vara de Rio Largo, determinou a interdição da Unidade de Internação Provisória Masculina, localizada no município, que estaria funcionando sem a estrutura necessária. A decisão foi publicada nesta segunda-feira (5), no Diário da Justiça Eletrônico (DJE).

A magistrada determinou que os adolescentes sejam removidos para estabelecimentos adequados e que não sejam encaminhados jovens à unidade até a conclusão de obras de reforma, a criação de estruturas de atendimento adequadas e contratação de pessoal qualificado e suficiente. O prazo começa a contar a partir do dia em que o Estado for citado.

A unidade não deve voltar a funcionar sem que tenha passado por vistorias da vigilância sanitária, do Corpo de Bombeiros e sem a estrutura e equipamentos necessários para o seu funcionamento regular. Essas medidas deverão ser avaliadas por meio de visita prévia de inspeção realizada pela Vara e outros órgãos de defesa dos direitos da criança e do adolescente e Conselho Tutelar de Rio Largo, sob pena de multa diária de R$ 10 mil, em caso de descumprimento de qualquer determinação.

De acordo com o Ministério Público, a unidade de internação, instalada em fevereiro de 2013 no município, transformou-se em um “depósito de adolescentes em conflitos com a lei”, chegando a abrigar 59 adolescentes. Nas inspeções realizadas pelo órgão e pelo Conselho Tutelar, foi observada a falta de estrutura da unidade para continuar funcionando e prestando o serviço.

Irregularidades

Outras irregularidades seriam a situação dos dormitórios dos adolescentes, falta de roupas de cama adequadas, banheiros em estado de precariedade, vazamentos de água, problemas de encanação e escassez de atividades pedagógicas e culturais. Além disso, não haveria funcionários suficientes para realizar as atividades de conservação e limpeza do local. O Governo teria garantido que obras seriam feitas para a melhoria do local, mas isso não aconteceu.

Para a juíza Marclí Guimarães, é necessária a existência de políticas públicas voltadas para a prevenção da prática de atos infracionais e não simplesmente inserir os adolescentes infratores em locais inadequados.

Deixe o seu comentário