8 de novembro de 2017 • 7:45 am

Infraestrutura

Rodovias brasileiras pioraram mais de 60% segundo pesquisa da CNT

O Brasil tem a piores estradas do mundo, mas Ministério dos Transportes ignora o fato

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A situação das rodovias brasileiras piorou em relação ao ano passado  (2016), reflexo direto da redução de investimentos públicos em  manutenção das estradas federais. De acordo com a pesquisa de rodovias  realizada pela Confederação Nacional do Transportes (CNT), 61,8% das  estradas do País estão em condições regular, ruim ou péssima.

O fato põe em cheque a atuação dos órgãos do governo Temer. Para o Ministério dos Transportes há outros parâmetros para avaliar as estradas.

Estradas malcuidadas do Brasil

Chama a atenção a situação das estradas nos Estados de Mato Grosso, Mato  Grosso do Sul e Pará, donos dos maiores rebanhos e áreas de plantio do  País.

O levantamento foi realizado por 24 equipes, que durante 30 dias  percorreram 542 estradas federais e algumas estaduais, somando 106 mil  quilômetros avaliados. De acordo com o levantamento, a piora mais  acentuada foi no quesito sinalização, no qual a classificação como boa  ou ótima caiu de 48,3% para 40,8%.

Os dados da 21.ª edição da pesquisa apontam piora na qualidade das  estradas nacionais em relação ao ano passado, quando 58,2% apresentaram  problemas. São avaliadas as condições de pavimento, sinalização e  geometria da via. Em 2017, 38,2% dos trechos foram classificados como em  bom ou ótimo estado, abaixo dos 41,8% em 2016.

Na qualidade do pavimento, a extensão classificada como regular, ruim ou  péssima saiu de 48,3% para 50%. Sobre a geometria, o índice de baixa  qualidade repetiu os números do ano passado, em 77,9% em condições  regular, ruim ou péssima.

Orçamento – Para a CNT, a precariedade das estradas reflete a queda nos  investimentos federais e a recessão dos últimos anos. Em 2011, o governo  injetou R$ 11,2 bilhões nas estradas, volume que caiu para R$ 8,61  bilhões em 2016 – mesmo nível de 2008. Neste ano, de janeiro a junho,  foram R$ 3,01 bilhões.

Segundo a entidade, apenas 12% da malha total de 1,735 milhão de  quilômetros do País é pavimentada. “Dizem que o Brasil é rodoviarista,  mas a realidade é que o Brasil não tem infraestrutura”, diz Flávio  Benatti, presidente da seção de transporte rodoviário de cargas da CNT.

O Plano CNT de Transporte e Logística aponta que seriam necessários R$  293,8 bilhões de investimentos na infraestrutura rodoviária para  adequá-la à demanda nacional.

Pior trecho – O trecho das estradas entre Natividade (TO) e Barreiras, no oeste da  Bahia, foi classificado como o pior do País. O traçado engloba BA-460,  BA-460, BR-242, TO-040 e TO-280. No ranking da CNT, o trecho ficou na  109.ª posição, a pior do levantamento. A melhor estrada foi o trecho que  liga São Paulo a Limeira (SP), entre SP-310, BR-364 e SP-348.

Em Mato Grosso, só 25,3% das estradas são consideradas ótimas ou boas,  ante 74,7% em situação regular, ruim ou péssima. Em Mato Grosso do Sul,  34,2% estão em boas ou ótimas condições, enquanto 65,8% foram  classificadas como regular, ruim ou péssima.

Em 2016, ocorreram 96.362 mil acidentes nas estradas do País policiadas,  com 6.398 mortes. Apesar de as condições gerais das estradas terem  piorado, o total foi inferior ao de 2015, quando ocorreram 121 mil  acidentes, com 6.837 mortes.

Deixe o seu comentário