11 de novembro de 2016 • 3:44 pm

Economia

Rombo nos Estados faz Renan Filho acender a luz amarela dos gastos

Levantamento diz que Alagoas é um dos poucos Estados que não opera no vermelho. Mas, a lanterna acendeu

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Um levantamento da saúde financeira dos Estados brasileiros, realizado pelo portal G1, indica que Alagoas é um das poucas unidades da Federação que vai escapando do vermelho nessa crise. A pesquisa diz que apenas 7 Estados estão no azul, depois de terem promovido um ajuste fiscal, enxugado gastos e cortados investimentos.

Fazenda: luz amarela acendeu.

Fazenda: luz amarela acendeu.

Pelo quadro apresentado no portal estão se salvando os Estados de Alagoas, Paraíba, Ceará, Acre, Maranhão, Minas gerais e Rio Grande do Sul. Esses Estados não atrasaram salários e estão com recursos em caixa para pagamento do 13º salário dos seus swervidores.

No entanto, Alagoas está no limite prudencial da Responsabilidade Fiscal e corre sério risco de entrar  na ciranda do prejuízo, como os demais, diante das demandas dos servidores públicos por reajustes salariais. O governo Renan Filho, segundo a Secretaria da Fazenda, tem feito uma imensa ginástica na arrecadação e nos investimentos para assegurar o pagamento em dia do pessoal.

Os dados – De acorco com o G1, a recessão atingiu em cheio as contas dos Estados brasileiros e muitos deles estão sem recursos para pagar salários e manter hospitais funcionando. O quadro mostra que das 27 unidades federadas, 20 estão operando no vermelho, sendo o Rio de janeiro em situação mais grave. Lá o governo já pensa em pedir intervenção federal.

Os 26 estados e mais o Distrito Federal totalizam um rombo nas contas públicas da ordem de R$ 56 bilhões. Por isso mesmo o governo federal está recomendando a todos o congelamento de salários, cortes de gratificações e suspensão da contratação de novos servidores.

Tudo isso por que o próprio governo em Brasília também não fez seu dever de casa. Ele saiu de um ssuperávit  de R$ 19 bilhões em 2012 para um déficit de R$ 316 milhões em 2013, agravando a situação em 2014 com um déficit de R$ 9,5 bilhões. O pior de tudo é que chegou em 2015 com um déficit de R$ 327 bilhões, segundo o G1.

O quadro é desanimador e por isso mesmo deve travar todo e qualquer empréstimo que pretendam a maioria dos Estados, diante do elevado rombo financeiro das contas públicas.

Alagoas ainda é um dos poucos Estados aptos a captar dinheiro novo. No entanto, o próprio governador Renan Filho acendeu a luz amarela no Palácio, em função dos gastos com os servidores públicos terem se aproximado do limite prudencial de 60% receita corrente líquida, o que esbarra na Lei de Responsabilidade Fiscal

 

 

Deixe o seu comentário