18 de Maio de 2016 • 10:48 am

Maceió

Rui não entrega remédios e pacientes invadem Central no Barro Duro

Prefeitura foi denunciada pelo Denassus e pelo Ministério Público Estadual por desvio de recursos na Saúde de Maceió

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A Central de Abastecimento Farmacêutico (CAF) da Prefeitura de Maceió foi invadida nesta terça-feira, 18, por usuários do Sistema Único de Saúde que cobram do prefeito Rui Palmeira (PSDB) medicamentos e fraldas de pacientes geriátricos.

Rui Palmeira: tergiversando.

Rui Palmeira: sem remédios

Rui tem se negado a liberar remédios para os pacientes cadastrados no SUS e por isso mesmo tem sido alvo de uma série de ações judiciais movidas pela Defensoria Pública do Estado. Nas ações estão cobranças até de seringas que faltam nos postos de saúde do município.

Desvios – O caos na saúde na gestão de Rui Palmeira aumentou depois que o Denassus realizou auditoria na Secretaria de Saúde e acusou um desvio de mais de R$ 6 milhões, recursos que foram repassados pelo Ministério da Saúde. A auditoria foi pedida pelo Conselho Municipal de Saúde que reprovou as contas de Palmeira, nessa área, nos anos de 2013  e 2014.

O Ministério Público Estadual, por meio da promotora Fernanda Moreira, também investigou desvio de mais de R$ 1,2 milhões  na saúde na gestão de Palmeira e está responsabilizando os gestores em uma ação penal, inclusive o ex-secretário João Marcello, que foi o primeiro a assumir a pasta do governo municipal tucano.

Nesta terça mais de 200 pessoas se amontoaram na Central de Medicamentos. Muitos chegaram no local antes das 3 horas da madrugada na esperança de receberem uma ficha para o acesso aos remédios requeridos. Os usuários reclamam que não recebem os medicamentos e diariamente os funcionários dizem que tudo depende de um processo licitatório “e essa desculpa já tem mais de seis meses e nunca se resolve”, disse Joana Teixeira, que foi buscar remédio para o pai que sofre de Parkinson.

Os pacientes têm frequentado a central diariamente, mas a Prefeitura de Maceió não se movimenta para resolver o drama das pessoas que dependem dos medicamentos.

 

1 Comentário

  1. MARCELO FIRMINO BOA TARDE,
    O PROBLEMA É MAIS ANTIGO, SÓ QUE O DENASSUS SÓ CHEGOU AGORA.
    NA ÉPOCA DO SENHOR CICERO ALMEIDA ERA DO MESMO JEITO OU PIOR, SÓ NÃO TEVE INVASÃO AO LOCAL PORQUE ERA RECÉM INAUGURADO PELO MESMO.
    LOCAL INSALUBRE TANTO PARA QUEM TRABALHA QUANTO PARA OS USUÁRIOS.
    CONHEÇO BEM ISTO, AFINAL JÁ FAZEM 11 ANOS QUE PEREGRINO NA CAF PARA RECEBER INSULINAS E INSUMOS DO MEU FILHO, QUE TEM UM PROCESSO JÁ TRANSITADO E JUGADO PELO SUPREMO FEDERAL E NÃO CUMPRIDO.
    É ASSIM……..

Deixe o seu comentário