5 de janeiro de 2017 • 10:38 am

Cotidiano

Saiba como amenizar a queimadura das caravelas na praia

Dermatologista orienta como se livrar do ardor

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Por Theodomiro Jr.

Sol brilhando forte, céu anil e praia repleta de banhistas. Típica paisagem de verão nas cidades balneárias. De repente alguém sai correndo do mar e começa a se coçar freneticamente com o que tiver a mão: areia da praia, óleo de bronzear, filtro solar, mas o ardor não passa.

As caravelas no verão são muito comuns

Quando outras pessoas saem correndo do mar apresentando o mesmo tipo de reação é sinal de que a água está infestada de caravelas ou águas vivas, seres que parecem bolhas plásticas inofensivas. mas que possuem tentáculos cujo toque com a pele produz uma sensação de ardor que se assemelha ao toque de uma navalha ou mesmo a um choque elétrico repentino.

“Não adianta passar areia, fumo, álcool ou qualquer outro tipo de substância ou creme. Para aliviar o incômodo deve-se passar água fria”, orienta a dermatologista Samya Diegues.

As vítimas normalmente sofrem com queimaduras.

As águas-vivas são animais marinhos cobertos por células que injetam toxinas. O veneno, que serve para paralisar a presa, não é fatal aos seres humanos, mas provoca dores, fisgadas, irritações na pele, cãibras e sensação de queimadura.

A primeira providência para aliviar a ardência causada pelas queimaduras é lavar o local com a própria água do mar e, em seguida, fazer aplicação de soro fisiológico ou vinagre, segundo recomenda o Corpo de Bombeiros.

O líquido deve ser colocado em um pano sobre a região afetada por cerca de 20 minutos. Em casos mais graves deve-se procurar atendimento médico. Cabe salientar que esses organismos podem causar além das queimaduras, náusea, vômitos, tonturas e desmaios.

Não se deve esfregar o local afetado com areia da praia, álcool, amônia, urina ou outras substâncias, porque as toxinas vão reagir a essas substâncias, ampliando os sintomas.

 

 

 

Theodomiro Jr.

Deixe o seu comentário