29 de janeiro de 2016 • 6:53 pm

Saúde

Saúde quer reestruturar rede de atendimento materno infantil na região norte

Segundo o governo, ação deve beneficiar quase 166 mil moradores de nove municípios

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Os gestores municipais de Jacuípe, Japaratinga, Maragogi, Matriz do Camaragibe, Passo do Camaragibe, Porto Calvo, Porto de Pedras, São Luís do Quitunde e São Miguel dos Milagres começaram a reestruturar a Rede de Atenção Materna e Infantil da II Região de Saúde, após reunião com a Secretária Estadual de Saúde, Rozangela Wyszomirska, realizada nesta quinta-feira, 28, em Maceió.

Reestruturação do atendimento é exigência do usuário.

Reestruturação do atendimento é exigência do usuário.

Com a proposta de tornar o município de Porto Calvo referência para a área da assistência à gestante e ao recém-nascido, todos os esforços serão concentrados para assegurar atendimento integral de baixo risco de forma humanizada, ágil e qualificada. Isso porque, segundo destacou a titular da pasta da saúde estadual, é necessário que os nove municípios da II Região de Saúde disponham de um serviço eficiente, visando atender os quase 156 mil habitantes, segundo apontou o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Rozangela Wyszomirska assegurou que a gestão estadual de saúde irá imprimir todos os esforços para estruturar a assistência materna e infantil na II Região de Saúde. Entretanto, a titular da Sesau enfatizou que é necessário o comprometimento de todos os gestores municipais, aplicando os recursos corretamente e cumprindo as metas estabelecidas, conforme foi pactuado e está especificado nas diretrizes do Programa de Reestruturação da Rede Materna e Infantil (Promater) e da Rede Cegonha.

“Não justifica uma gestante de baixo risco, residente na II Região, vir para uma maternidade de Maceió para fazer um parto normal. É um gasto desnecessário, um deslocamento desumano e que só contribui para superlotar as maternidades da capital. Por isso, a maioria desta demanda – que não seja de alto risco – deve ser absolvida por um centro de referência estruturado em Porto Calvo”, propôs a secretária de Estado da Saúde.

Além dos gestores municipais de Jacuípe, Japaratinga, Maragogi, Matriz do Camaragibe, Passo do Camaragibe, Porto Calvo, Porto de Pedras, São Luis do Quitunde e São Miguel dos Milagres, a construção da Rede Materna e Infantil da II Região de Saúde conta com a participação do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde de Alagoas (Cosems/AL). Presente ao encontro, o presidente da entidade, Ubiratan Pedrosa, salientou que “o caminho para a melhoria da assistência é a regionalização, onde a gestão estadual atue para apoiar os municípios”, opinou.

Deixe o seu comentário