12 de setembro de 2017 • 7:53 pm

Brasil » Política

Segurança em Curitiba é reforçada para depoimento de Lula nesta quarta-feira

O esquema de segurança montado para o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que acontece amanhã (13) em Curitiba, será semelhante à estratégia utilizada em maio, quando…

Por: Thiago Sampaio
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O esquema de segurança montado para o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que acontece amanhã (13) em Curitiba, será semelhante à estratégia utilizada em maio, quando o petista depôs pela primeira vez ao juiz federal Sérgio Moro.

Lula será ouvido no segundo processo a que responde no âmbito da Operação Lava Jato. PetrobrasRovena Rosa/Agência Brasil

A audiência desta quarta-feira está marcada para as 14h na sede da Justiça Federal do Paraná (JFPR).

“As circunstâncias são muito parecidas. No entanto, o dimensionamento foi menor, por conta da notícia de que nós teremos menos ônibus envolvidos e uma quantidade menor de pessoas. Mas o esquema básico é o mesmo, com um volume menor de policiais”, explicou o secretário de Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita.

Para atuar no esquema de segurança, serão destacados cerca de mil policiais militares, além de representantes da Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Departamento de Inteligência do Estado do Paraná (Diep), Guarda Municipal, Polícias Rodoviária Estadual e Federal, Polícia Federal, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), entre outros órgãos. A expectativa é que 50 ônibus cheguem a Curitiba com cerca de 5 mil manifestantes.

Defesa protocola pedido de inocência

A defesa do ex-presidente Lula protocolou nesta segunda-feira, 11, recurso no TRF-4 pedindo a absolvição do ex-presidente e a anulação da sentença do juiz Sérgio Moro, que condenou Lula a nove anos e meio de prisão no caso do triplex do Guarujá.

Entre os argumentos dos advogados Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, eles afirmam que o juiz Sérgio Moro reconheceu que não há valores provenientes de contratos firmados pela Petrobras que tenham sido utilizados para pagamento de qualquer vantagem a Lula.

Deixe o seu comentário