9 de dezembro de 2015 • 5:42 am

Maceió

Sinteal acusa Rui de tratar servidores como “atividade cancerígena”

Prefeito quer mudar a Lei Orgânica do Municipio para distribuir cargos comissionados.

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

sintealA pretensão do prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB) de alterar a Lei Orgânica do Município para manipular e distribuir cargos comissionados às vesperas de um ano eleitoral foi condenada pelo Sindicato dos Trabalhadores na Educação – Sinteal – que, em nota, acusou o prefeito de desqualificar os servidores públicos, ao tratá-los como “uma atividade cancerígena”.

Na verdade, Palmeira,em mensagem enviada à Câmara Municipal acusa textualmente  os servidores públicos de “desempenharem papel nodal” na administração pública.

Na mensagem, publicada na página 04 do Diário Oficial do Município (01/12/2015), o prefeito de Maceió propõe à Câmara a supressão do  Parágrafo Único do Art. 82, o inciso XI do Art. 125, da Lei Orgânica do Município. Esse páragrafo estabele que “os cargos de provimento em Comissão do Poder Executivo, declarados em Lei de livre nomeação e exoneração, deverão ser preenchidos respeitando-se o percentual de 50% (cinqüenta por cento) para Servidores Efetivos do Município”.

Na semana que passou o Ministério Público também reagiu contra as intenções do prefeito tucano.

A reação do Sinteal veio em nota enviada à redação do eassim.net. Abaixo a íntegra da nota da entidade dos professores do município:

– A prestação do serviço público, sem sombra de dúvidas, é uma das mais importantes atividades sociais. Nenhum município, nenhum estado ou país consegue funcionar sem seu quadro de servidores públicos, agentes diretos responsáveis pelo contato direto com a população, sempre à disposição das demandas da sociedade [leia-se dos cidadãos e cidadãs].

A inapropriada mensagem “cometida” pelo jovem (de inexperiente) prefeito de Maceió, Rui Soares Palmeira, destratando e acusando os servidores públicos municipais de desempenharem um – acreditem! – “papel nodal”, ou seja, uma atividade “câncerígena” no serviço público, mostrando o que pensa do funcionalismo, e, ao mesmo tempo, abrindo espaço para uma prejudicial mudança na Lei Orgânica do Município de Maceió, abrindo brecha legal que pretende dá poderes ao próprio prefeito de, às vésperas de um ano eleitoral, contratar um “exército” de cargos comissionados, nomeando a tripa forra cargos comissionados com mais poderes e com salários até triplamente maiores que servidores e servidoras concursados, com décadas no serviço público e conhecimento da sua área de trabalho, agora ameaçados/as de humilhação em seus cargos.

O Sinteal condena veemente a postura e ação do prefeito, que, diretamente, atinge e desqualifica milhares de servidores e servidoras públicos/as do Município de Maceió, reais agentes de transformação a serviço da cidadania, com uma atuação voltada aos anseios da sociedade.

Diretoria do Sinteal.

 

 

1 Comentário

  1. Antonio da Silva disse:

    Este sindicato pelego tem que se preocupar,primeiramente com o nosso PCS e o nosso RATEIO???????URGENTE dos professores da rede publica estadual.URGENTE RATEIO E PCS

Deixe o seu comentário