18 de julho de 2016 • 5:36 pm

Interior » Justiça

Situação do prefeito de União dos Palmares se complica ainda mais

Defesa diz que irregularidades aconteceram antes do mandato do prefeito

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

É cada  vez mais complicada a situação do prefeito de União dos Palmares, Beto Baía. Ele tentou reverter na justiça a punição que recebeu devido a prática de atos de improbidade administrativa, mas o desembargador Pedro Augusto Mendonça de Araújo, manteve a decisão que o afastou e tornou indisponíveis os bens dele.

Beto Baía: prefeito de União dos palmares

Beto Baía: prefeito de União dos palmares

 Segundo os autos, o gestor teria cometido supostas irregularidades na contratação do Centro de Diagnóstico Laboratorial (Cedlab), responsável por realizar exames médicos no município. A defesa afirmou que a contratação ocorreu em 2011, antes de o prefeito assumir. Sustentou ainda que a indisponibilidade dos bens é uma medida excepcional, sendo conferida apenas nos casos em que ficar comprovada a impossibilidade de ressarcimento ao erário, ou seja, quando se tem prova inequívoca de que o réu está dilapidando o seu patrimônio.

    Para o desembargador, no entanto, a indisponibilidade de bens não exige a comprovação de dilapidação do patrimônio. “Oportuno registrar que, a indisponibilidade dos bens, prevista no artigo 7º da Lei de Improbidade Administrativa, não exige que haja a comprovação de que os réus estão dilapidando o patrimônio, bastando apenas fortes indícios da prática de improbidade, contrariamente do defendido pelo ora recorrente”.

    Ainda de acordo com Pedro Augusto de Araújo, as determinações de afastamento do réu e da indisponibilidade de seus bens, móveis e imóveis, até o montante de R$ 500 mil, restaram bem fundamentadas pelo Juízo singular, “demonstrando-se, ao menos neste momento, imprescindível à efetividade da ação de improbidade administrativa manejada”.

Deixe o seu comentário


Publicidade