15 de dezembro de 2015 • 7:50 am

Justiça

STF determina busca e apreensões na casa de Cunha e no PMDB de Alagoas

Entre os mandados de busca e apreensão de objetos comprados com dinheiro do esquema, em Maceió, um foi na casa do ex-vice governador, José Wanderley.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A Polícia Federal cumpre, nesta terça-feira, 15 mandado de busca e apreensão na residência oficial do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e na casa do peemedebista no Rio de Janeiro, em mais um desdobramento da Operação Lava Jato. Ao todo foram 53 mandados em oito Estados, sendo dois deles em Alagoas, mais precisamente em Maceió: um na sede do PMDB, no bairro de Mangabeiras, e outro no edifício Tartana, na Ponta onde moram alguns políticos alagoanos, entre eles o presidente do senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

A PF também faz buscas na casa do deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE), apontado como interlocutor do senador, Renan Calheiros nos desvios da Petrobras; do senador e ex-ministro Edison Lobão (PMDB-MA), que também é investigado no Supremo pela Lava Jato; do ministro de Ciência e Tecnologia, Celso Pansera; do ministro Henrique Eduardo Alves, do Turismo, e de Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro.

A ação foi pedida pela Procuradoria-Geral da República e teve aval do ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki e é referente a sete processos instaurados a partir de provas obtidas na Operação Lava Jato.

As buscas ocorrem na residência de investigados, em seus endereços funcionais, sedes de empresas, em escritórios de advocacia e órgãos públicos.

De acordo com a PF, foram expedidos 53 mandados de busca e apreensão, com o principal objetivo de evitar que os investigados destruam provas.

Os mandados são cumpridos no Distrito Federal (9), em São Paulo (15), Rio de Janeiro (14), Pará (6), Pernambuco (4), Alagoas (2), Ceará (2) e Rio Grande do Norte (1). Operação é referente a sete processos instaurados a partir de provas obtidas na Operação Lava Jato

Segundo a PF, foram autorizadas apreensões de bens que possivelmente foram adquiridos pela prática criminosa.

De acordo com a Polícia Federal, o investigados, na medida de suas participações, respondem a crimes de corrupção, lavagem de dinheiro,  organização criminosa, entre outros.

Essa etapa  da operação foi batizada de Catilinárias, que são discursos célebres do orador romano Cícero contra um senador que planejava tomar o poder.

Deixe o seu comentário