28 de maio de 2017 • 10:14 pm

Governo

Temer ouve relatos em Maceió mas não anuncia recursos para o Estado

Ele atendeu o governador Renan Filho e o prefeito Rui Palmeira no Quartel do Exército

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A visita de Michel Temer nesta noite de domingo, 28, foi mero jogo de cena. Na verdade ele encontrou uma maneira de deixar Brasília para ganhar mídia em meio ao inferno que vive seu governo.

Na companhia do governador de Alagoas, Renan Filho, e do prefeito de Maceió, Rui Palmeira, Temer pocurou o  59º Batalhão de Infantaria Motorizado (59º BIMtz), em Maceió,  para ouvir as reivindicações dos gestores.

Ele disse que veio em companhia de 4 ministros, mas não disse absolutamente nada sobre o volume de recursos a para o Estado em situação caótica diante dos estragos da chuva. De concreto disse apenas que os municípios precisam cumprir o ritual burocrático dos decretos de emergência

Nem poderia dizer mais que isso, principalmente por que não sabe ele se continuará Presidente da República após o dia 6 de junho, quando o Congresso espera que o Tribunal Superior Eleitoral casse o mandato da chapa Dilma-Temer.

Temer em Maceió com Renan e Rui

A exepctativa do governador Renan Filho é de que o governo federal, por meio de Medida Provisória (MP), execute o Programa de Contenção de Enchentes do Vale do Mundaú e do Paraíba como forma de evitar desastres naturais e danos provocados pelas inundações em períodos chuvosos.

Ele aproveitou para requisitar aporte financeiro da União ao programa executado pelo Governo do Estado, denominado de “Vida Nova nas Grotas” (Pequenas Obras, Grandes Mudanças), que vem promovendo melhorias estruturais importantes e levado mobilidade urbana a essas comunidades carentes.

Renan Filho fez, ainda, pedido de ajuda financeira para recuperação de estradas, pontes e outros equipamentos públicos afetados pelas enchentes em Alagoas.

Temer trouxe aAlagos sua tropa de choque. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), além dos 4 ministros que o acompanharam

Curiosamente,  os políticos que o acompanhara são os que têm dado sustentação a ele no Congresso, depois do “JBSGate” – o maior escândalo de corrupção no Planalto – uma vez que todos estão envolvidos em graves denúncias  na Operação Lava Jato.

 

Deixe o seu comentário