29 de julho de 2017 • 8:48 am

Blogs » Marcelo Firmino

Tereza: a musa do impeachment de Collor sonha com a política

Para ela, tudo continua a mesma coisa: ‘só mudam os nomes’

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Tereza Collor, a musa do impeachment do ex-Presidente Fernando Collor, de olho no Senado Federal, onde atualmente, “elle” exerce um mandato e ficará na cadeira até 2022.

Tereza surgiu como figura pública na vida nacional no inicio dos anos 90, então no esplendor dos seus 29 anos, apoiando o marido Pedro Collor de Mello, na cruzada contra o presidente da República, Fernando Collor, então acusado de prática de corrupção no Palácio do Planalto.

A primeira aparição de Tereza para os holofotes, câmeras e flashes da mídia nacional foi vestida em um tailleur quadriculado azul e vermelho, de morenez reluzente e beleza esplêndida, que logo encantou os brasileiros e brasileiras do Oiapoque ao Chuí.

Tereza e o sonho de ser política.

Surgiu para muitos como a grande mulher do País. Jovem, guerreira, determinada, sorriso farto e que se fez musa aos 29 anos.

Exatamente em meio ao lamaçal da política nacional, Tereza surgiu e roubou a cena nacional, na defesa do marido, que brigava com o irmão Presidente pelo controle geral da Organização Arnon de Mello, e a favor do impeachment. O presidente renunciou e Tereza ficou como a musa do impeachment de Fernando Collor de Mello.

Tereza então  se fez empresária, marca e sonha em se tornar política. A razão é simples, tem dito sempre: -Daquela época para cá nada mudou. Só os nomes se renovam.

Tereza e Pedro, em 1992

Filha do empresário João Lyra, ex-deputado federal, está radicada em São Paulo, mas é eleitora em Maceió, sua terra natal. Tereza Collor sonhava com uma candidatura de deputada federal, mas recebeu o convite de uma antiga legenda nanica (PTN), hoje Podemos, para ser candidata a senadora.

Os tempos são outros, mas a política ainda é a mesma, tal como ela disse: “só mudam os nomes”.

Então, poder, pode. Mas só o eleitor poderá dizer “podemos”.

Prefiro Tereza imortal na voz de Jorge de Altinho:

Nos primeiros raios desse Sol
Na primeira luz dessa manhã
Quero ouvir um som de Djavan
Quero ouvir nos olhos de Tereza
A beleza da natureza
Ver aquela lua toda minha
Na areia na prainha
Manguaba sem mágoas nas águas do Broma
Meu amor minha flor na middô me ama

{A minha América do Sol
{Maceió
BIS{Meu paraíso tropical
{Marechal

 

1 Comentário

  1. Carlos Toledo disse:

    Lembro do que Thereza trouxe para Alagoas naquela época como secretária de Turismo e depois como embaixadora. Nunca a vi com presepada. Mulher corajosa. A única na corrida para o Senado. Surge uma opção.

Deixe o seu comentário