4 de Fevereiro de 2018 • 7:45 am

Saúde

Teste genético é saída para depressão que não melhora

Correspondente da Globo em Nova York (EUA), Jorge Pontual revelou ter depressão e se tratar há 40 anos com o remédio errado

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O correspondente da Globo em Nova York (EUA), Jorge Pontual revelou ter depressão e se tratar há 40 anos com o remédio errado. Ele fez um teste genético que revelou que metaboliza os remédios tão depressa a ponto de não surtirem efeitos.

“O resultado do teste veio com a lista de antidepressivos que não funcionavam para mim, e eram justamente aqueles que tomei durante décadas. A boa notícia é que veio também a lista dos antidepressivos que funcionam”, afirmou.

De acordo com especialistas, os testes farmacogenéticos servem para determinar como os medicamentos se comportam em cada indivíduo a partir da análise do DNA. E servem para várias doenças como o câncer.

Cerca de 20 a 30% dos pacientes com depressão não reagem adequadamente ao remédio e esse tipo de teste permite ao psiquiatra compreender o porquê disso acontecer. O progresso da ciência permitiu descobrir os genes das enzimas das células hepáticas responsáveis por metabolizar os medicamentos.

Cerca de 75% das pessoas faz esse processo em uma velocidade normal, enquanto o restante ou metaboliza ultrarrápido ou lentamente.

O paciente que metaboliza rapidamente tem uma enzima que faz com que o fígado trabalhe muito rápido aquela substância e o medicamento nem tem tempo para fazer efeito no corpo.

Já os que metabolizam devagar, por sua vez, provocam acúmulo do medicamento no corpo, o que pode gerar efeitos colaterais sérios, como intoxicação. Por isso, se o paciente tem a característica de destruir rapidamente um determinado antidepressivo, a eficácia da droga será afetada.

Custos

O preço dos testes que variam de R$ 1.300 a R$ 3.990 é o maior entrave. Além de não estar incluso no SUS (Sistema Único de Saúde) também não consta na ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), ou seja, os planos de saúde não cobrem o exame. No entanto, alguns planos reembolsam parte do procedimento.

O teste só é indicado para pacientes que já tenham trocado de medicamentos pelo menos três vezes. Normalmente um bom psiquiatra consegue avaliar e diagnosticar bem seu paciente. Mas há casos em que é preciso recorrer aos testes para entender por que ele não está respondendo a nenhuma droga.

Deixe o seu comentário