16 de abril de 2016 • 7:37 am

Brasil

The New York Times diz que quadrilha de ladrões vai julgar Dilma Rousseff

O mais famoso jornal americano diz que o processo brasileiro “é algo incomum”

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Matéria publicada no The New York Times, na quinta-feira,14, aborda o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O jornal norte-americano mostra as controvérsias do processo, uma vez que os principais políticos que pedem a saída da petista enfrentam denúncias de participação em esquemas de corrupção e outros escândalos.

A publicação citou o jornalista Mario Sergio Conti, colunista da Folha de S. Paulo, que resumiu a situação: “Ela não roubou nada, mas está sendo julgada por uma quadrilha de ladrões”.

O jornal explica que, no caso do impeachment, a presidente é acusada de usar dinheiro de bancos públicos para cobrir lacunas no orçamento, prejudicando a credibilidade econômica brasileira.

De acordo com o NYT, o caso da presidenta é algo incomum no país. “Dilma Rousseff é, então, algo raro entre a maioria das figuras políticas no Brasil: Ela não está sendo acusada de roubar para benefício próprio”, publicou.

Reportagem do NYT
Reportagem do NYT

O jornal citou os principais oposicionistas ao PT e as acusações que eles enfrentam: “Eduardo Cunha, o poderoso interlocutor da Câmara dos Deputados, que está liderando o impeachment, vai para o tribunal da mais alta corte, o Supremo Tribunal Federal, acusado de embolsar 40 milhões de dólares em propinas”.

O vice-presidente Michel Temer  também foi citado pelo periódico norte-americano: “Michel Temer, que deve tomar o lugar de Dilma Rousseff assim que for colocada de lado, é acusado de envolvimento em um esquema ilegal de compra de etanol.

O jornal também cita os deputados Éder Mauro (PSD-PA), Beto Mansur (PRB-SP) e Paulo Maluf (PP-SP):

“Entre os oponentes de Dilma, está Éder Mauro, que enfrenta denúncias de tortura e extorção por sua atuação como policial em Belém. Outro deputado que clama pelo impeachment é Beto Mansur, denunciado por manter 46 trabalhadores em condições deploráveis em sua fazenda de soja em Goiás. Investigadores apontam que os trabalhadores eram tratados a escravos da atualidade”.

Sobre Maluf, o periódico destaca: “Sr. Maluf, ex-prefeito de São Paulo que apoia a saída da presidente, já passou semanas na cadeira há uma década por acusação de lavagem de dinheiro e evasão de divisas”. Em outro trecho, a matéria destaca que Maluf enfrenta processo nos Estados Unidos acusado de embolsar mais de US$ 11,6 milhões em um esquema de propina.

O jornal pondera que a presidente enfrenta baixos índices de popularidade que podem ser explicados pela subornos e acusações que envolvem o Partido dos Trabalhadores. No entanto, o The New York Times informa que parte dos brasileiros percebe que o impeachment tem menos a ver com corrupção e mais com a troca de poder para parlamentares com histórico questionável.

 

Deixe o seu comentário