13 de outubro de 2017 • 6:14 pm

Bleine Oliveira » Blogs

Um desafio à Polícia Civil de Alagoas!

Claro, a realidade é bem diferente dos seriados de Tv. Nas séries policiais todo crime é solucionado. Tudo se resolve com muita tecnologia, e fantasia, vale salientar. Mas é inadmissível…

Por: Bleine Oliveira
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Claro, a realidade é bem diferente dos seriados de Tv. Nas séries policiais todo crime é solucionado. Tudo se resolve com muita tecnologia, e fantasia, vale salientar.

Mas é inadmissível que a Polícia Civil de Alagoas seja desafiada por um criminoso, e não consiga provar a materialidade de um assassinato.

O desaparecimento e, provável, morte da estudante Bárbara Regina desafia a PC desde setembro de 2012, quando a jovem, de 21 anos, sumiu depois de sair de uma boate, no bairro da Jatiúca!

Ela saiu do local na companhia de Otávio Cardoso da Silva Neto, apontado como responsável por seu desaparecimento.

O inquérito policial traz o depoimento de um amigo do acusado, a quem ele teria confessado que matara a estudante a punhaladas, depois de tê-la enforcado. Essa testemunha definiu Otávio Cardoso como um “psicopata, louco por sexo”.

Ousado, antes de fugir de Alagoas, o sujeito chegou a usar o celular de Bárbara Regina, sem se importar com o fato de que ela estava sendo procurada.

Cinco anos depois ele é preso, admite que saiu com a estudante, mas alega que apenas lhe deu carona. E cria um imbróglio, um nó, que a Polícia Civil precisa desatar.

Esta semana, em entrevista coletiva, o delegado Fábio Costa, coordenador da Delegacia de Homicídios da Capital, afirmou, depois de ouvir Otávio Cardoso, que o depoimento foi “contraditório e inconsistente”.

Porém, definiu o acusado como “um psicopata frio e inteligente, que pensou em todas as respostas para o interrogatório”.

Será que esse sujeito é mais inteligente que a Polícia?

Pessoalmente, acredito na perspicácia e na eficiência dos delegados.

Aposto que eles conseguirão materializar esse crime, levando ao julgamento da sociedade, no Tribunal do Júri, um assassino!

Deixe o seu comentário