16 de dezembro de 2017 • 7:30 am

Blogs » Marcelo Firmino

Violência: Batalha se transforma na nova capital do cangaço alagoano

O que Batalha está vivendo é um trágico final de ano  e deve entrar para 2018 com a certeza de que 2017 ainda não acabou.

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

É mais que assustador o clima de Batalha, município do sertão alagoano. Em 40 dias dois vereadores tombam nas ruas crivados de balas.

Em 9 de novembro, Adelmo Rodrigues Melo, o Neguinho Boiadeiro, presidente da Câmara Municipal, foi morto quando saía do trabalho. Agora foi a vez de Tony Pretinho, jovem de 34 anos, cair na via pública, ao sair de casa.

Boiadeiro, pretinho, revólveres, balas, violência que gera violência.

O que se vê em Batalha atualmente é a lei do cangaço. O clima de terror no dia do assassinato de Neguinho Boiadeiro explodiu novamente agora com a morte de Pretinho, que vinha a ser adversário político dos Boiadeiros.

Uma coisa pode não ter nada a ver com outra, mas certamente será por onde a polícia vai iniciar suas investigações.

A questão é que enquanto vai se consolidando como a nova capital do cangaço alagoano, Batalha vai atraindo para si e os seus habitantes um estigma de cidade maldita que não ajudará em nada no desenvolvimento social do município.

Pior é o fato de autoridades da segurança pública estadual estarem atônitas com os acontecimentos. E diga-se que os gestores da área têm responsabilidade total no caso, pois permitiram que os valentões voltassem às ruas do município sertanejo para a retomada da guerra sangrenta.

O que houve? Por que falharam? São perguntas que a sociedade faz considerando que, diante dos episódios anteriores, esperava-se que Batalha estivesse muito bem protegida pelas forças policiais. Mas, pelo visto, ledo engano.

O que o povo de Batalha está vivendo é um trágico final de ano  e deve entrar para 2018 com a certeza de que 2017 ainda não acabou.

Triste, mas é real.

 

Deixe o seu comentário