11 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade

Autor: Wagner Melo

Uma flechada para aumentar a corrupção!

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista Quando 2018 terminar, o setor público (governos federal, estaduais e municipais, além das estatais) terá amargado um déficit fiscal de R$ 161,3 bilhões, segundo as previsões. O cenário vislumbrado para 2019 também é de chorar. No próximo ano, o prejuízo deve girar na casa dos R$ 132 bilhões, o equivalente a 1,75% do Produto Interno Bruto (PIB) para todo o setor público. De acordo com a agência de notícias do Senado, no novo ano o saldo negativo deverá ser assim distribuído: déficit de R$ 139 bilhões para o Orçamento da União; déficit de R$ 3,5 bilhões para as empresas estatais federais (desconsiderando as empresas dos grupos Petrobras e Eletrobrás) e superávit de R$ 10,5 bilhões para os entes federados. Isso quer dizer que o próximo governo terá um desa

A maluquice é livre, mas não pode ameaçar a saúde pública

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista No início do século 20, uma a cada cinco crianças morria de alguma doença infecciosa antes dos cinco anos de idade. Também no passado, doenças relativamente simples causavam milhares de mortes. O surgimento dos antibióticos e das vacinas foi um avanço formidável na prevenção e tratamento destas moléstias. Mas parece que tem gente com saudade dos tempos em que a varíola, o tifo, o sarampo, a gripe espanhola, a caxumba e a tuberculose vadiavam no mundo. E nem tem amor aos próprios filhos, imagine com o dos outros? Eles são os adeptos dos grupos antivacina. Em tempos de terraplanismo (ideia de que a Terra seria um disco plano), temos que engolir pessoas que, por convicções baseadas em estudo científico equivocado e mal intencionado (patrocinado por um escr

A “b… rosa” e as consequências da imaturidade na rede

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista A repercussão do vídeo da "b... rosa" e suas consequências para os envolvidos mostram que ainda subestimamos o alcance e o poder das redes sociais. A brincadeira idiota que viralizou na internet provocou uma discussão internacional e envolveu até a extrema direita conservadora russa, que honrou sua posição político-partidária chamando os brasileiros de "macacos" e atacando a vítima do achincalhe por não se "dar ao respeito". Nada de novo, pois os "homens de bem tementes a Deus" da extrema direita conservadora que se respeitam precisam lutar pela pureza da raça (ironia, claro), pela castidade e pelo sexo semestral com fins reprodutivos. Racismo, homofobia, xenofobia. A internet parece terra de ninguém. Mas não se enganem, estamos sendo observados e em caso

Para 75% da população saúde pública é ruim ou péssima, aponta CNI

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista Uma crise que parece não ter fim é a da saúde pública. Sem poder pagar os valores cobrados pelos planos de saúde, a população se sente cada vez menos assistida. É o que confirma a pesquisa “Retratos da Sociedade Brasileira – Saúde Pública”, da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Conforme o levantamento que ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios entre os dias 2 e 25 de março deste ano, saltou de 61%, em 2011, para 75%, neste ano, o número de pessoas que considera a saúde pública ruim ou péssima. E os principais problemas, segundo os brasileiros, são as dificuldades e a demora no atendimento, com 37% das citações. Em segundo, com 15% das menções, está a falta de equipamentos. O terceiro problema que mais incomoda os entrevistados, com 9% das resposta

O perigo mortal dos celulares no carregador, segundo a Abracopel

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista Atos que parecem banais escondem um perigo que pode ser mortal. Usar o celular enquanto ele carrega na tomada é um deles. Quem faz o alerta é a Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel) que realiza um levantamento de mortes que ocorreram nesta circunstância. E, pasmem! Os números só crescem. A entidade registrou um caso em 2015 no Distrito Federal, com a morte de uma adolescente de 11 anos e outro em 2016, na Paraíba, com um adolescente de 12 anos. Em 2017, a morte por choque elétrico ao manusear o celular fez duas vítimas: no Ceará, uma mulher de 28 anos morreu, ao colocar o carregador de celular em uma extensão e, no Piauí, um bebê de 6 meses faleceu ao colocar o carregador de celular na boca. Em 2018, a Abra

Brasil tem 231 cidades com mais eleitores do que habitantes

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista Estudo da Confederação Nacional de Municípios (CNM) indica que, em 231 cidades do Brasil, o número de eleitores é maior do que o de habitantes. No Nordeste, são 52 nesta situação. Rio Grande do Norte (16) e Paraíba (12) lideram na região. Em Alagoas, apenas um município entra nessa estatística, a CNM não diz qual. Entre as cidades nordestinas, a maior diferença entre o número de eleitores e de moradores ocorre em Cumaru (PE) – são 3.396 votantes a mais do que habitantes. Em Severiano Melo (RN), a diferença é de 2.999. No Brasil, 75 municípios com este perfil são de Minas Gerais, 29 de São Paulo e 20 de Santa Catarina. Os números foram obtidos a partir do cruzamento de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Es

Alagoas: na terra de Zumbi o negro é o alvo

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista Alagoas voltou às manchetes nacionais e, como sempre, de forma negativa. Desta vez, no El País Brasil. A reportagem “No Brasil, dois países: para negros, assassinatos crescem 23%. Para brancos, caem 6,8%” cita, logo no início, dois casos de alagoanos que revelam como a nossa nação, especialmente nossa terra, continua hostil para aquele grupo de pessoas. Tomo a liberdade de reproduzir o trecho do texto de Gil Alessi que retrata bem os dois “Brasis”: "O alagoano J.S, 21, infelizmente tinha contra si dois fatores. Era jovem e negro. Em seu Estado isso significa que ele tinha as mesmas chances de ser assassinado do que se morasse em El Salvador, um dos países mais violentos do mundo com uma taxa de homicídio de 60 mortos por 100.000 habitantes. Terminou bal

Por que pagamos tão caro pelo etanol se ele é produzido aqui?

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista Segundo estimativas do setor produtivo, o alagoano poderia pagar R$ 2 pelo preço do etanol, na bomba, já que o estado possui unidades produtoras do combustível. Seria a libertação da gasolina, que está cara demais. Mas, por que cargas d’água pagamos um preço tão alto por ele? A resposta é revoltante: devemos esse murro no estômago aos atravessadores. O álcool sai de Alagoas, vai para fora e volta mais caro. As distribuidoras pagam, em média, R$1,54 pelo litro e revendem por 3,20. Não seria mais inteligente os postos receberem o líquido precioso diretamente do produtor? É isso que a Defensoria Pública questiona na justiça. Nessa semana, o órgão ingressou com Ação Civil Pública na Justiça Federal em face da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombus

Cadê o verde e amarelo, meu povo? Cansamos do circo?

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista Falta menos de um mês para a estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia – o primeiro jogo é dia 17 de junho, às 15h, contra a Suíça, em Rostov – e não se vê tantas bandeiras em veículos e sacadas de imóveis, nas vestimentas das pessoas. Então, é de se perguntar: Cadê o verde e amarelo nas ruas? Será que diante de um país dividido entre coxinhas e mortadelas nem o futebol consegue unir os brasileiros? Nossa moral está abalada pela crise política, econômica, moral e ética, que deixou as pessoas insatisfeitas com o Brasil? Ou será que o povo, finalmente, cansou do circo e tem outras prioridades? Essa aparente desilusão foi alvo de pesquisa recente do Grupo Paraná Pesquisas, que pode nos dar uma pista. Olhem só: foram ouvidos 2.170 brasilei

Justiçamento: criminosos não têm moral para impor sua lei deturpada

Blog, Wagner Melo
Por Wagner Melo, jornalista No mês de setembro de 2015, o servente de pedreiro Aldecir Bezerra da Silva, de 38 anos, foi espancado até a morte, por populares, no bairro de Felipe Camarão, na Zona Oeste de Natal. O crime: ele era parecido com um estuprador. Ainda roubaram o dinheiro da feira dele. Se antes havia um estuprador à solta, o ato de justiçamento aumentou a criminalidade, pois também produziu assassinos e ladrões. E um inocente morreu. Um ano antes, no Guarujá, em São Paulo, a dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, foi morta por espancamento por populares que a acusaram de... bruxaria, após circulação de boatos numa página de rede social. Duas pessoas inocentes mortas pelo "tribunal popular", sem chance de defesa, injustiçadas, na verdade. Em Alagoas, a situ