1 de abril de 2020Informação, independência e credibilidade
Brasil

Bolsonaro presta solidariedade ao dono da Havan e nada ao Porta dos Fundos

Empresário fala em atentado terrorista e culpa a esquerda; Grupo humorístico foi alvo de bombas de filiado do PSL, mas polícia não considera terrorismo

O presidente Jair Bolsonaro prestou solidariedade, em suas redes sociais, ao empresário Luciano Hang, dono das Lojas Havan, depois que um incêndio destruiu uma das estátuas de sua loja. Vestindo um uniforme do Cascavel, time paranaense patrocinado pela Havan, Bolsonaro se refere a Luciano Hang como ‘empreendedor’.

O incêndio foi em uma unidade de São Carlos (232 km a noroeste de São Paulo), na madrugada do dia 31 de dezembro, destruindo a estátua de 32 metros de altura, uma réplica da americana Estátua da Liberdade.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, o empresário Luciano Hang, dono da Havan, disse que a empresa foi vítima de “terrorismo”.

“Quando colocaram fogo no Porta dos Fundos — o que eu também recrimino, acho que ninguém tem que ser cerceado —, a mídia perguntou: nossos representantes não vão falar nada? Eu pergunto à grande mídia nacional: o que vocês acham? É um ato de terrorismo político ou não é? Se era da direita, agora é da esquerda?”. Luciano Hang, dono da Havan.

Apoiador do presidente, Hang divulgou durante as eleições um vídeo de apoio ao então candidato Jair Bolsonaro (PSL), gravado no interior de uma de suas lojas, ameaçando demitir funcionários e tirar a empresa do Brasil caso seu candidato não ganhasse.

O bilionário bolsonarista tem uma fortuna estimada em em US$ 2,2 bilhões, cerca de R$ 9 bilhões no câmbio de hoje, o que faz dele o 21º homem mais rico do Brasil.

Ser rico e próximo do alto escalão tem suas vantagens: no ano passado Hang comprou um avião por R$ 250 milhões, apesar de dever mais de R$ 168 milhões à Receita Federal.

Esta dívida, aliás, foi dividida em diversas vezes e tem sua última parcelaé  programada para daqui 115 anos. Isso mesmo: a dívida dele com o leão só acabar no ano de 2135.

Porta dos Fundos

O ‘terrorismo’ de um lado não incomodou o terrorismo do outro. O próprio Hang falou do caso envolvendo o Porta dos Fundos, alvo de três bombas de fabricação caseira na noite da véspera de Natal do ano passado. O atentado foi uma resposta ao filme do grupo, produzido na Netflix, que retrata, entre outros, Jesus como homossexual.

E mesmo com a principal linha de investigação, um vídeo de um grupo neofascista reivindicando a autoria do atentado, o secretário estadual de Polícia Civil, Marcus Vinícius Braga, afirmou que o caso não será classificado como terrorismo, mas apenas crimes de explosão e tentativa de homicídio.

E enquanto Hang empurra para a esquerda o incêndio contra uma estátua sua, há certeza de uma ação da (extrema) direita no caso do Porta dos Fundos, já que o principal suspeito pelo atentado é Eduardo Fauzi Richard Cerquise, filiado do PSL, partido que levou o presidente Bolsonaro à presidência.

A Frente Integralista Brasileira já divulgou um comunicado oficial anunciando a expulsão de Eduardo Fauzi. Segundo a nota, creditada ao Conselho Diretivo Nacional da organização, “o lamentável episódio nos faz refletir a respeito da importância de um zelo maior e melhor formação dentre aqueles que entram no movimento”.

Não é a primeira vez de Farzi cometendo um crime do tipo: em 2013 ele desferiu um forte tapa, publicamente, no então secretário de Ordem Pública da Prefeitura do Rio de Janeiro, Alex Costa, quando este dava uma entrevista coletiva de imprensa.

O Portal dos Procurados já divulgou um cartaz com recompensa de R$ 2 mil reais para ajudar a 10ª DP (Botafogo) na localização e prisão do suspeito.

A intenção é receber informações que possam levar até Eduardo Fauzi. Ele tem tem 20 anotações criminais por ameaça, lesão corporal, desacato, extorsão e uma relacionada à Lei Maria da Penha.

E apesar do caso público e notório, o presidente Jair Bolsonaro, seus apoiadores ou mesmo o ministro da Justiça, Sergio Moro, seguem em silêncio sobre o caso Porta dos Fundos.

Por outro lado, ao falar do amigo bilionário que teve a Estátua da Liberdade queimada, por sabe-se lá quem, esta foto com o uniforme do time que leva o nome de uma cobra tem uma simbologia enorme: já usada em sua rede interna de apoiadores, o que aconteceu na Havan terá maior validação do que o que aconteceu com o Porta dos Fundos.

E quem apoiou as explosões contra o grupo de humor, independente do filme que eles tenham produzido, precisa parar pra pensar um pouco antes de continuar fazendo com que o Brasil tome rumo para um país de atentados religiosos fundamentalistas.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.