31 de maio de 2020Informação, independência e credibilidade
Brasil

Como age a cloroquina, dada como solução contra o novo coronavírus

Veja os pontos favoráveis e contrários do medicamento usado contra a malária e em tratamento de doenças autoimunes

com informações do scishow

Os presidentes dos Estados e Brasil, Donald Trump e Jair Bolsonaro, são dois dos mais entusiasmados em propagar a cloroquina como um tratamento promissor para o covid-19.

Mesmo com as faltas de testes mais apropriados, eles fizeram algumas pessoas se tornarem muito empolgadas com o medicamento. Que, claro, “vai acabar com a pandemia, se ao menos os malditos cientistas saíssem do caminho”.

Da mesma forma, outras pessoas, por outro lado, são taxativas em dizer que estes não funcionam. Mas a ciência não funciona assim, e quando as anedotas iniciais parecem promissoras, é quando precisa se investigar mais.

Não é novidade

Estas drogas são prescritas para malária e condições autoimunes por décadas, o que são duas coisas muito diferentes da pandemia que enfrentamos. Mas se olharmos mais de perto a química envolvida, é possível entender como chegaram à correlação.

Isso não significa que sabemos que os medicamentos trabalhem para o sanar o covid-19. Existem boas razões para pensar que podem, mas como em muitas coisas em torno desta doença, precisamos descobrir mais.

Os medicamentos que fazem manchetes internacionais são hidroxicloroquina e cloroquina. “Quina” em seus nomes vem do fato que sua estrutura química é semelhante ao quinino, usado pelos humanos para tratar a malária há séculos.

Mas a escassez de quinina durante a Segunda Guerra Mundial levou químicos alemães e americanos a procurar alternativas e eles se voltaram para a cloroquina, primo do comporto que carrega cloro no quinino e foi sintetizado pela primeira vez na década de 1930. E como isso tem alguns efeitos colaterais bastante desagradáveis, a hidroxicloroquina menos tóxica foi introduzida na década de 1950.

Claro, os parasitas que causam malária são muito diferentes do vírus que causa o covid-19. Tão diferentes quanto as doenças podem surgir umas das outras e ambos podem parecer totalmente independentes às condições autoimunes como o lúpus para as quais essas drogas são prescritas regularmente.

Atuação contra parasitas

Esses medicamentos foram desenvolvidos como antimaláricos. Apesar da longa história, não está 100% claro como esses medicamentos exatamente tratam a malária, embora saibamos o quadro geral: eles matam os parasitas.

A primeira razão pela qual eles podem fazer isso é por causa de sua estrutura química: esses compostos podem aparecer em moléculas gordurosas chamadas lipídios.

E as membranas que circundam as células e seus compartimentos internos são feitas de lipídios, então cloroquina e hidroxicloroquina podem ir quase para onde quiserem no seu corpo, inclusive nos glóbulos vermelhos, exatamente onde ficam os parasitas que causam malária.

Radicais livres da cloroquina avança na camada de lipídio da célula e atacam diretamente parasitas

Acontece que a cloroquina e a hidroxicloroquina também são bases fracas. Ou seja: eles gostam de pegar prótons quando podem. Como os íons hidrogênio que tornam as soluções ácidas. E quando fazem isso, perdem a capacidade de passar livremente pelas membranas, eles não são mais todos lipossolúveis como costumavam ser.

Isso significa que essas drogas podem entrar em locais ácidos, mas eles não podem sair deles. Então eles se acumulam nas partes das células que são ácidas, já que essas áreas têm mais prótons em disputa, e uma vez que as drogas ligam prótons, eles não podem voltar tão facilmente.

Química na prática

E especialistas acham que é assim que eles matam os parasitas da malária: um monte de cloroquina acaba preso em um compartimento semelhante ao estômago dentro do parasita e interfere com a capacidade do parasita para quebrar substâncias venenosas.

A droga se concentra no que seria o estômago de parasitas, levando-os à morte

Com isso, temos um parasita morto.

Mas matar os parasitas da malária não é bom para todas essas drogas. Como a cloroquina e a hidroxicloroquina entram nas células em geral, não apenas as infectadas por parasitas, elas podem ter muitos outros efeitos no corpo, inclusive no sistema imunológico.

Contra doenças autoimunes

É por isso que os medicamentos funcionam bem em uma variedade de condições autoimunes: essas condições se manifestam de várias maneiras diferentes, mas todos elas são causados ​​pelo sistema imunológico dando errado e atacando as próprias células do corpo.

Da mesma forma como acontece com a malária, não entendemos completamente como esses medicamentos ajudam, mas sabemos que eles podem ajudar a acalmar a reação exagerada do sistema imunológico.

Uma grande parte disso, provavelmente, vem de seus efeitos em compartimentos dentro de suas células chamados lisossomos. O grande trabalho de um lisossomo é devorar e destruir proteínas nocivas e outros compostos que podem ser prejudiciais para a célula.

E porque eles têm todos esses pedaços de proteína desonestos, eles são capazes de ajudar algumas de nossas células imunológicas a dizer a outras células do sistema imunológico o que façam.

Basicamente, os pequenos pedaços de material que eles quebram se tornam antígenos: compostos que dizem aos soldados do sistema imunológico o que atacar.

Só que quando uma pessoa tem uma condição autoimune, os lisossomos dentro de certas células imunológicas produzem antígenos que dizem aos soldados do sistema imunológico que atacam a coisa errada: as próprias células do corpo.

Mas esses antimaláricos podem interferir nisso. Como os lisossomos são levemente ácidos, a hidroxicloroquina entra dentro deles e fica presa lá. E isso acaba retirando muitos íons hidrogênio do líquido lisossomo e uma vez que o pH do lisossomo fique agradável e básico, não pode funcionar da mesma maneira.

O medicamento reage com o coronavírus, eliminando seus hidrogênios livres, mudando o pH de um meio ácido para básico

O que significa que há menos lisossomos gerando antígenos, que dizem ao sistema imunológico para atacar as células da pessoa. Mas isso não acontece apenas nas células envolvidas em ataques auto-direcionados.

Esses medicamentos podem entrar e mexer com todas as suas células imunológicas. Além disso, eles provavelmente têm outros efeitos nas células imunológicas que podem acalmá-las.

Então, eles amortecem a resposta imune em geral. Agora, se isso soa como umedecer o sistema imunológico, o que é realmente muito ruim para uma pessoa que tem covid-19.

Covid-19

Nem sempre é o vírus que realmente mata a pessoa. Não estou dizendo que Olavo de Carvalho está certo ao dizer que “o vírus não mata, o que mata é a pneumonia”.

Esta é a mesma lógica em dizer que não há mortos em acidentes de trânsito, pois a causa seria uma parada cardíaca ou morte cerebral. Ou que um câncer no pâncreas que, após crescer, compactar o diafragma de um paciente e impedir a respiração, não foi o causador da morte.

Vírus entra pelas vias respiratórias e se concentra no pulmão – veja como a doença progride clicando aqui

É questão de semântica, já que esses vírus definitivamente infectam células e as matam. Mas nem sempre são as células infectadas que morrem matam uma pessoa. Não diretamente.

Quando essas células morrem, seu corpo percebe que está ocorrendo uma invasão e ele monta um contra-ataque usando produtos químicos chamados citocinas, que atuam como um chamado às armas às células imunológicas, um chamado para guerra que desencadeia toda a força e fúria da resposta imune à infecção.

Os efeitos disso são chamados coletivamente de inflamação, o que pode fazer um ótimo trabalho para eliminar um invasor. O problema é que grandes quantidades de inflamação também pode danificar células saudáveis.

E se uma infecção viral fica realmente fora de controle e mata muitas células, a reação frenética do sistema imunológico pode danificar e matar ainda mais células, que chamam ainda mais atacantes imunológicos, o que causa ainda mais inflamação.

Quando todo esse processo fica fora de controle, ele é chamado de tempestade de citocinas. É basicamente o equivalente ao sistema imunológico tentar matar uma mosca com uma metralhadora: o dano colateral disso que acaba matando a pessoa.

Fase autoimune do Covid-19

Então, pensa-se que um medicamento como a hidroxicloroquina, que facilita a resposta imune, pode ser capaz de conter uma tempestade de citocinas. Pelo menos, essa é uma hipótese.

Outra ideia é que a cloroquina e a hidroxicloroquina dificultam os vírus aumentando o pH nos compartimentos celulares, onde eles precisam se infiltrar e replicar.

Os vírus tendem a funcionar melhor quando esses compartimentos são um pouco mais ácidos, e medicamentos antimaláricos tendem a tornar as coisas básicas.

Já existem pesquisas promissoras em células e animais não humanos que sugerem que a cloroquina pode impedir a replicação viral em SARS e outros coronavírus.

Ainda melhor: estudos recentes in vitro, ou experimentos realizados em células em laboratório, sugerem que a hidroxicloroquina possa funcionar especificamente contra o SARS-CoV-2, o coronavírus que causa o COVID-19.

Com base nisso, parece que esses medicamentos podem ser super úteis. E um medicamento super útil está na lista de desejos de todos no momento.

Não é cura milagrosa

Mas estudos de drogas em células em placas de Petri ou em outros animais não são iguais aos ensaios clínicos em pessoas. Só porque algo funciona em um ambiente de laboratório controlado não significa que será eficaz na prática ou seguro para todos.

É para isso que servem os teste clínicos, para que não acabem matando pessoas quando estamos tentando salvá-las. E embora fosse incrível se esses medicamentos ajudassem, nós simplesmente não temos evidências suficientes de que esses antimaláricos são seguros e eficazes para o covid-19.

Alguns dados preliminares da China sugeriram que eles poderiam ajudar, juntamente com um teste muito pequeno fora da França. Mas alguns especialistas apontaram que esse julgamento possui falhas metodológicas e não fornece evidências suficientes.

Os resultados preliminares de um estudo feito com a cloroquina pela Fiocruz e pela Fundação de Medicina Tropical mostraram que a letalidade no grupo de pacientes com Covid-19 testado, em estado grave, foi de 13%.

Segundo o Laboratório de Vírus Respiratório e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Centro de Referência Nacional em Vírus Respiratórios para o Ministério da Saúde, a cloroquina ainda não pode ser considerada um medicamento ideal para o covid-19

De 81 doentes internados que tomaram o medicamento, 11 morreram. Já taxa de mortalidade verificada em pacientes em iguais condições que não usaram a droga é de 18%, segundo estudos internacionais, inclusive da China.

A proximidade dos dois índices não permite afirmar, por enquanto, que a cloroquina possa fazer diferença fundamental no tratamento dos doentes infectados pelo novo coronavírus.

Nesta semana, na França, pacientes com coronavírus tratados com hidroxicloroquina apresentaram problemas cardíacos e quatro deles morreram, como informou a Agência Nacional de Vigilância de Medicamentos francesa, a ANSM.

E no Brasil, uma mulher paulistana de 53 anos que foi medicada com cloroquina morreu na madrugada de quinta-feira (10), quatro dias depois de se tratar com o remédio.

Vários pesquisadores concluíram agora que outros testes bem projetados são necessários antes que possamos realmente dizer se os altimalariais são realmente seguros e eficazes no combate ao COVID-19.

Precisamos de mais testes

Ênfase no “seguros”, porque mesmo que esses medicamentos sejam prescritos regularmente para malária e condições autoimunes, isso não significa que eles sejam seguros para o tratamento de infecções por coronavírus.

Já sabemos que nem todos podem tomar esses medicamentos com segurança, como pessoas com deficiência de G6PD e que podem ter uma reação potencialmente fatal à cloroquina.

Além disso, esses antimaláricos podem interagir negativamente com outros medicamentos. Estudos descobriram que esses antimaláricos parecem retardar a quebra da digoxina para medicamentos para o coração, o que pode causar desde náuseas e vômitos a ritmos cardíacos irregulares, e pode ser fatal.

Além disso, mesmo em pessoas que não têm motivos específicos para não tomá-los, antimaláricos não são totalmente inofensivos. Como eles quase sempre entram e mexem nas células, a dose realmente importa.

Como, por exemplo, embora a cloroquina e a hidroxicloroquina possam ser tomadas com segurança por muitas pessoas, doses mais altas podem levar a cegueira e problemas cardíacos.

Não sabemos ao certo se esse medicamento pode piorar a infecção específica, ou em que momento, no curso da doença, seria melhor tomá-la.

É muito possível que pelo menos um desses medicamentos seja ideal para o tratamento, ou talvez até prevenir o covid-19. Existem vários ensaios clínicos tentando descobrir tudo isso e, sem dúvidas, todo mundo realmente espera que funcione.

Não seria incrível seria se já tivéssemos algo em mãos para acabar com essa pandemia? Algo que entendemos e é barato de fabricar? Mas até que tenhamos certeza, não devemos ter o duvidoso e incerto como garantido.

Temos que deixar profissionais de saúde e pesquisadores médicos testem essas coisas com cuidado e rigor. Eles são os especialistas e sabem o que estão fazendo.

E temos que continuar explorando outras opções de tratamento, tantas delas quanto pudermos. E até lá, claro, saber que essa situação ainda está longe do fim, portanto o distanciamento social ainda é muito importante.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.