4 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade
Política

Contrariado, Moro abandona o governo Bolsonaro

Ex-juiz afirmou que presidente faz interferências políticas na PF e disse que isso não acontecia nem no governo do PT

O ministro Sergio Moro (Justiça) entregou o cargo nesta sexta-feira (24). Ele resolveu deixar o governo de Jair Bolsonaro após a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, ter sido publicada nesta madrugada no Diário Oficial da União. E convocou a imprensa, às 11h, no Ministério da Justiça.

Em sua fala, Moro reiterou que lhe foi prometido, publicamente, carta branca em sua atuação no Ministério da Justiça e Segurança. E que a única condição foi que, para deixar o cargo de juiz, gostaria da garantia de pensão à sua esposa, caso algo acontecesse a ele.

E enquanto enaltecia algumas de suas ações como ministro, fazendo relato da queda de crimes e assassinatos ou aumento da apreensão de drogas, ele ficou mesmo incomodado com a interferência na Polícia Federal. Algo que, segundo ele, não acontecia na gestão do PT:

“Governo da época tinha inúmeros defeitos, mas manteve a autonomia da Polícia Federal”. Sergio Moro, ex-juiz da Lava Jato, se referendo a governos anteriores ao de Bolsonaro.

A situação teria desandado já no segundo semestre, com a insistência de troca do cargo de diretor da Polícia Federal. O problema para Moro foi a violação da promessa de carta branca e que não haveria uma causa. Na visão do ex-juiz, isso indicaria uma ‘troca política’.

“Falei ao presidente que seria uma interferência política e ele disse que seria mesmo.” Sergio Moro.

Ele foi além e confirmou que foi pego de surpresa com a saída de Valeixo e que, apesar do que afirmou a Secretaria de Comunicação, ele não concordou com a demissão. E nem mesmo assinou o Diário Oficial – sua assinatura eletrônica foi utilizada.

E após 45 minutos de pronunciamento, confirmou que vai ‘empacotar suas coisas’ e que pediu demissão. Agradeceu ao presidente pela indicação, mas torce que as próximas escolhas sejam técnicas.

Exoneração de Valeixo

Após a ameaça, a canetada: o presidente Jair Bolsonaro realmente exonerou o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (24), um dia após conversa com o ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro, que não gostou da saída de seu homem de confiança. E pediu demissão, tendo que ser persuadido por Bolsonaro e generais da decisão.

Moro já foi alertado por aliados, ainda no fim da noite passada (23) de que a saída de Valeixo seria oficializada no Diário Oficial desta madrugada, enquanto ainda negocia com o Palácio do Planalto sua permanência como ministro. Ou seja: Moro, que teria uma vaga no STF garantida por Bolsonaro, já sabe que não pode confiar na palavra do presidente.

Maurício Valeixo, comandante da PF, era homem de confiança de Moro, mas Bolsonaro insistiu em exonerá-lo

A exoneração, inclusive, foi publicado como “a pedido” de Valeixo no Diário Oficial, com as assinaturas eletrônicas de Bolsonaro e Moro. Só que o ministro não assinou a medida formalmente e nem mesmo foi avisado oficialmente pelo Planalto de sua publicação.

Como se não fosse o bastante, Valeixo nem mesmo teria “pedido” sua exoneração ao Planalto. E não há substituto no comando da polícia, por ora, nomeado. Claramente, Bolsonaro passou por cima de Moro, agora em processo de fritura e, potencialmente, o novo ‘comunista’ inimigo do presidente e seus seguidores.

Para a vaga, Bolsonaro defende a nomeação para o posto do diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Alexandre Ramagem, ou do secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres.​

Para integrantes da cúpula da Polícia Federal, a relação de Sergio Moro e Jair Bolsonaro já terminou desde o ano passado e é zero a confiança entre os dois. Na crise do coronavírus, eles se afastaram ainda mais, defendendo posições antagônicas sobre o isolamento social.

CPMI da Fake News

O que mais incomoda Bolsonaro na PF é o aumento dos inquéritos que apuram um suposto esquema de fake news para atacar autoridades, entre elas alguns de seus adversários políticos.

Além disso, a PF averígua uma ligação com deste grupo com as manifestações pró-golpe militar promovidas por grupos bolsonaristas, realizadas no domingo (19). O próprio presidente participou de uma delas, em Brasília.

Os dois casos, sob relatoria do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, devem ser tocados por uma mesma equipe de policiais federais e isso desagrada ao presidente.

Os filhos Carlos, Flavio e Eduardo Bolsonaro, principais acusados de comandar as milícias digitais do pai presidente, Jair Bolsonaro

A apuração sobre fake news, aberta pelo próprio STF, envolve a suspeita de que filhos de Bolsonaro, entre eles o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), estejam por trás de um gabinete do ódio supostamente mantido pelo Palácio do Planalto para atacar desafetos políticos.

Essa hipótese também foi levantada em Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) sobre o caso no Congresso.

Popularidade

Segundo o Datafolha, Moro se firmou como o ministro mais popular do governo Bolsonaro, com aprovação superior à do próprio presidente. No início de dezembro de 2019, Moro tinha 53% da população avaliando sua gestão como ótima/boa.

Outros 23% a consideram regular, e 21% ruim/péssima. Por outro lado, Bolsonaro tinha números mais modestos, com 30% de ótimo/bom, 32% de regular e 36% de ruim/péssimo.

O tridente de popularidade do governo Bolsonaro perde um de seus integrantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.