18 de fevereiro de 2020Informação, independência e credibilidade
Brasil

Dia do Leitor: Agência Brasil contradiz Bolsonaro e mostra a óbvia importância da leitura

Estimativa é de que quase metade dos brasileiros não seja leitor regular; Mais de 24% dizem não ter paciência

Nesta terça-feira (7) celebra-se o Dia do Leitor, criado em homenagem ao suplemento literário do jornal O Povo, do Ceará, que ficou famoso por divulgar o movimento modernista cearense. O jornal foi fundado em 7 de janeiro de 1928 pelo poeta e jornalista Demócrito Rocha.

E a data mereceu justa manchete na Agência Brasil, da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação), empresa pública federal, responsável entre outros responsável pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Rádios EBC, incluindo o programa A Voz do Brasil.

Entretanto, ao entrevistas especialistas, a matéria mostrou a óbvia importância da leitura, principalmente para as crianças e seu desenvolvimento intelectual.

Curiosamente, há menos de uma semana, o presidente Jair Bolsonaro resolveu anunciar mudanças nos livros didáticos escolares, pois estes teriam “muita coisa escrita”. Ele foi além e afirmou defender “ensino que vá ser útil” sem “essa historinha de ideologia de gênero”.

“Os livros hoje em dia, como regra, é um montão, um amontoado… Muita coisa escrita, tem que suavizar aquilo. Os idiotas achando que vão definir o sexo até os 12 anos. Tem livros que vamos ser obrigados a distribuir esse ano ainda, levando-se em conta a sua feitura em anos anteriores. Tem que seguir a lei. Em 2021, todos os livros serão nossos. Feitos por nós. Os pais vão vibrar. Vai estar lá a bandeira do Brasil na capa, vai ter lá o hino nacional”. Jair Bolsonaro, presidente.

Descontente também com a leitura de jornais, nesta segunda o presidente disse que jornais apresentam apenas mentiras e que seus leitores não ganham muita coisa os lendo, pois estes possuem apenas mentiras:

“Não recebo mais papel de jornal ou revista. Quem quiser que vá comprar. Porque envenena a gente ler jornal. Chega envenenado”. Jair Bolsonaro.

Especialistas

Por outro lado, segundo especialistas ouvidos pela Agência Brasil, incentivar a leitura desde cedo pode ajudar o Brasil a aumentar o número de leitores. A estimativa é de que quase metade dos brasileiros não seja leitor regular.

Após melhor asas taxas de analfabetismo, o Brasil enfrenta hoje o desafio de fazer com que as pessoas tenham o hábito de ler. De acordo com a última pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, do Instituto Pró-Livro, 44% dos brasileiros com mais de 5 anos de idade não são leitores, o que significa que não leram nenhum livro nos últimos três meses.

A pesquisa mostra também que ler está ficando mais difícil para os brasileiros, seja por falta de tempo ou de paciência. O índice dos que afirmam que não têm nenhuma dificuldade para ler diminui a cada edição da pesquisa.

Eram 48% dos entrevistados em 2007, passando para 33% em 2015. Entre as dificuldades está a falta de paciência. Em 2007, 11% disseram não ter paciência para ler. Em 2015, esse percentual subiu para 24%.

“Acho que o desafio da próxima década é mostrar a importância da leitura, o prazer da leitura, começar a criar uma nova sociedade leitora. É difícil convencer um adulto que nunca teve o hábito de ler a começar a ler, o desafio é atrair as crianças”. Marcos da Veiga Pereira, presidente Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel).

Claro, tudo isso se torna mais difícil quando o chefe do Executivo é ouvido de forma passional e irrestrita por seus seguidores, e são capazes de colocar menos texto nos livros didáticos e mais bandeira e hino nacional. E aquela batida e mentirosa ideia da ‘catequização’ na ideologia de gênero.

Joao 8:32 foi usado em vão

Seguindo nesta tocada, teremos menos livros didáticos e mais livros de colorir. E menos leitores de jornais e revistas e bem mais seguidores dos informados pelo Whatsapp.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.