7 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade
Cotidiano

É preciso reforçar atenção com animais de estimação, transmissores em potencial de covid-19

Unidade de Vigilância em Zoonoses esclarece dúvidas sobre relação dos animais com a doença

Integrantes da família, os bichinhos de estimação também precisam estar inseridos nos cuidados relacionados à prevenção do novo coronavírus.

Por se tratar de algo novo, pesquisas sobre vários aspectos da covid-19 ainda estão em desenvolvimento, inclusive em relação à saúde e bem-estar do animal, sendo fundamental reforçar a atenção com eles.

Além disso, muitas dúvidas surgem com relação aos riscos que os cães e gatos podem sofrer ou até mesmo a possibilidade desses animais transmitirem a doença, como explica o coordenador- geral da Unidade de Vigilância em Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde, Samy Barros.

“Vários órgãos que estão interessados hoje e em busca da cura e reconhecimento do que, de fato, pode ser a covid-19 já vêm investigando isso. Algumas instituições de saúde humana e animal apontam que atualmente não há evidências científicas que animais de estimação são uma fonte de infecção para os humanos”. Samy Barros, zootecnista diretor na SMS.

Estão entre os responsáveis pelos estudos a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), a Associação Mundial de Veterinários de Animais de Estimação (WSAVA) e outras instituições da área.

Samy explica ainda que mesmo no caso de pessoas sadias, a interação com o animal deve ser cercada de cuidados com a higiene.

“Sim, é possível abraçar e beijar os animais, desde que nenhum dos dois esteja doente, ou seja, nem o cuidador nem o animal. Esse contato das pessoas doentes coloca em risco não só com relação ao coronavírus, como também para outras infecções ou outros tipos de doença. Se não estiver doente e quiser acariciar um animal de estimação, faça, mas lave as mãos antes e depois de tocá-lo, levá-lo para passear e alimentá-lo”. Samy Barros.

É necessário lembrar que o vírus pode ser carregado de um meio para o outro.

“Então, a pessoa que está com covid-19 pode contaminar tanto um meio físico, portas, maçanetas, celulares; como ele pode ser carregado pelas pessoas e, por consequência, pelos animais. Por isso, é importante ter bastante cuidado. É importante dar banhos nos animais com água e sabão, para que eles não possam carregar esse vírus em seu pelo, e diminuir a frequência dos passeios sempre que possível”. Samy Barros.

Já nos casos das pessoas que contraíram a doença, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) recomenda que o contato com os animais de estimação seja limitado.

“Deve ser feito como faria com qualquer outra pessoa ao seu redor. Na medida do possível, peça para outra pessoa da casa para cuidar de seus animais, enquanto você se recupera. Se você precisar cuidar do seu animal de estimação ou ficar próximo de animais doentes, seja qual for a doença, lave as mãos antes e depois de interagir com eles e use máscara”. Samy Barros.

A Unidade de Vigilância em Zoonoses segue atendendo as urgências de rua e serviços internos nos telefones 3312-6390 e 3312-6389, de segunda a sexta pela manhã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.