3 de junho de 2020Informação, independência e credibilidade
Brasil

Governo testará remédio ‘promissor’ que tem 94% de eficácia contra a covid-19

Ao contrário da cloroquina, medicamento que ainda não teve seu nome divulgado não teria efeitos colaterais

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, participa de coletiva de imprensa no Palácio do Planalto

O Ministério da Ciência e Tecnologia anunciou nesta quarta (15) que o Brasil testará nas próximas semanas um “remédio promissor” que teria demonstrado 94% de eficácia em ensaios com células infectadas pelo novo coronavírus segundo análises in vitro.

Ao menos 500 pacientes com a covid-19, desde que não estejam em estado grave, participarão dos estudos clínicos, de acordo com o governo. Segundo Marcos Pontes, ministro titular da pasta, o medicamento tem formulação pediátrica e possui preço acessível nas farmácias.

Mas o nome não foi revelado porque ainda não há um laudo conclusivo, ao contrário do que aconteceu com a cloroquina, alardeado por Bolsonaro e seus apoiadores como o melhor tratamento.

“Para garantir a continuidade dos testes clínicos, e por questões de segurança, o nome do medicamento selecionado será mantido em sigilo até que os resultados dos testes clínicos demonstrem a sua eficácia em pacientes. O que se pode adiantar é que o fármaco tem baixo custo, ampla distribuição no território nacional e sua administração não está relacionada a efeitos colaterais graves e que pode ser usado por pessoas de diversos perfis inclusive em formulações pediátricas”. Marcos Pontes, Ministério da Ciência e Tecnologia.

Pontes, no entanto, destacou que os reagentes usados no remédio são produzidos no Brasil, o que “não nos deixa dependentes de outros países”.

De acordo com as análises preliminares, a aplicação do remédio não teria efeitos colaterais para os pacientes, situação diferente do uso da cloroquina e hidroxicloroquina.

Cloroquina

Endossado pelo presidente Jair Bolsonaro, o uso da cloroquina foi tido como uma rápida solução para a pandemia do novo coronavírus. De forma precoce, o medicamento foi considerado eficaz contra o covid-19, mas testes mostraram o contrário.

Um estudo recente no Amazonas, com 81 voluntários, foi interrompido após 11 pacientes morrerem em três dias. Apesar disso, diante da pressão e procura, o medicamento acabou se tornando uma alternativa. Em Alagoas, uma portaria, publicada nesta quarta, regulamentou o uso do medicamento.

Pesquisas diferentes

A Comissão Nacional de Ética e Pesquisa (Conep) do Conselho Nacional de Saúde aprovou até a manhã dessa terça-feira (14) 21 protocolos de pesquisas que envolvem ensaios clínicos com pacientes de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Os estudos fazem parte de um total de 76 pesquisas sobre a pandemia que foram aprovadas desde 23 de março, incluindo investigações epidemiológicas, trabalhos relacionados à saúde mental durante o confinamento e também pesquisas de ciências humanas.

Os 21 estudos com ensaios clínicos aprovados estão em cinco estados brasileiros, sendo 14 deles em São Paulo. Há também trabalhos em andamento no Ceará, Amazonas, Paraná e Rio de Janeiro. As pesquisas foram propostas por 17 instituições, e os tratamentos envolvem cerca de 8,7 mil participantes. Segundo a Conep, a maior parte dos proponentes é formada por universidades e hospitais brasileiros.

Se considerado o número total de 76 trabalhos, o que inclui os protocolos de estudos observacionais, há 53 em curso na Região Sudeste, nove no Sul, seis no Nordeste, quatro no Norte e mais quatro no Centro-Oeste.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.