21 de janeiro de 2020Informação, independência e credibilidade
Expresso

MPE/AL quer a condenação do servidor público que, com câmera espiã, filmou colegas no banheiro

Ele era concursado desde 2007 e uma funcionária percebeu a câmara, que teve o cartão de memória destruído por ele

O Ministério Público do Estado de Alagoas (MPAL), por meio da Promotoria de Justiça de Santa Luzia do Norte, ajuizou ação civil pública por improbidade administrativa contra agente público Amon Nunes Camilo, denunciado pela instalação de uma ‘câmera espiã’, no banheiro da Secretaria Municipal de Saúde de Coqueiro Seco, com para registrar imagens dos ocupantes.

“O machismo, a objetificação da mulher, a cultura do patriarcado são, sim, violadores do princípio da moralidade administrativa e, assim, atos de improbidade. Não só pela violação da dignidade da mulher, mas por perpetuar a cultura da violência, da estigmatização sexual e, assim, o preconceito e, até mesmo, a cultura do estupro. A busca pelo respeito à mulher é um dever do Ministério Público”. Lucas Sachsida, promotor.

Uma funcionária percebeu no dia 8 de dezembro de 2018 o equipamento no banheiro e levou para a sua sala, na tentativa de encontrar o suspeito. Logo em seguida, o servidor, concursado desde 2007, aparentando nervosismo, saiu do banheiro e foi ao setor da colega onde, sem autorização, subtraiu a câmera, removeu o cartão de memória e o destruiu na frente de todos.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.