8 de dezembro de 2019Informação, independência e credibilidade
Por Elas

Multinacional japonesa se interessa em discutir alternativas para tratamento de doenças raras

Hemerson Casado, médico alagoana ativista da causa, mantém luta por acesso a medicamentos

Reunião aconteceu em Maceió, na última terça-feira.

Mais uma boa notícia para quem luta por um tratamento adequado e acessível de doenças raras em Alagoas. O Instituto Dr. Hemerson Casado recebeu esta semana a visita de uma multinacional farmacêutica de origem japonesa, interessada na discussão do desenvolvimento e fabricação de novos fármacos para doenças raras.

O diretor de Oncologia e Acesso ao Mercado, Allyson Nakamoto, e representantes do departamento de Relações Institucionais,  Thiago Patriarcha e Tiago Fontoura, todos da multinacional japonesa,  desembarcaram na capital alagoana para conhecer de perto  o trabalho do Instituto, presidido  pelo cirurgião cardiovascular alagoano Hemerson Casado, paciente de Esclerose Lateral Múltipla (ELA), já reconhecido em nível nacional por seu ativismo na defesa do acesso ao tratamento de doenças raras no Brasil.

A Daiichi-Sankyo atua na criação e fornecimento de produtos e serviços médicos em quase 60 países. De acordo com Casado, um dos medicamentos que foram propostos para a nacionalização já é comercializado na América do Norte, Ásia e Oceania e pode ser uma excelente opção para a substituição do Riluzol, ou uso associado. Atualmente, ele é a única alternativa para que tem a Esclerose Lateral Amiotrófica.

Os executivos também conversaram sobre a realização de investimentos nas áreas de pesquisa, tecnologia e saúde em Alagoas, além da expectativa de construção de uma planta da empresa em Maceió para a produção de fármacos para doenças raras.

“Estamos extremamente honrados pelo reconhecimento de uma empresa tão respeitada. O Instituto se coloca à disposição para contribuir com o que for necessário. Temos muito trabalho pela frente. A união faz a força”, afirmou Casado.

Entusiasmo é o que não falta ao médico alagoano. É por aí mesmo. Quem tem ELA ou qualquer outra doença rara é quem sabe onde o calo aperta. Que o digam os familiares. As empresas e toda a sociedade precisam chegar junto.

O Instituto Hemerson Casado Gama foi fundado em 2014 pelo médico cirurgião cardiovascular Hemerson Casado, após o mesmo ser diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), em 2012. A organização sem fins lucrativos, sediada em Maceió, Alagoas, visa servir a população brasileira ao transmitir informações sobre doenças raras e seus tratamentos, bem como luta pelos direitos destes pacientes oferecendo orientação sobre benefícios previstos em lei.

(C/Informações Ascom)

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.