9 de abril de 2020Informação, independência e credibilidade

Artigo

Muita besteira apoiada por energúmenos e agora o Covid-19: dólar alto chegou pra ficar

Muita besteira apoiada por energúmenos e agora o Covid-19: dólar alto chegou pra ficar

Artigo
Além de um governo que não se ajuda, prejudicando a classe mais pobre, literalmente criticando a "festa que era empregada indo pra Disney três vezes por ano" e idiotices sem fim que ainda animam robôs, desiludidos, massas de manobra ou quem recebe mais de 20 salários mínimos por mês, o surto do coronavírus joga mais gasolina no foguete da disparada do dólar no Brasil. Diante dos receios do impacto na economia global, o dólar comercial emendou o 12º dia de alta e fechou nesta quinta (5) com valorização de 1,54%, cotado a R$ 4,651 na venda. O valor representa mais um novo recorde nominal para um fechamento. E a alta se manteve mesmo após atuação do Banco Central. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, despencou 4,65%, aos 102.233,24 pontos, com todas as ações no vermelho
Quem votou em Bolsonaro para baixar o dólar foi enganado ou fez papel de ótario

Quem votou em Bolsonaro para baixar o dólar foi enganado ou fez papel de ótario

Artigo, Opinião
Quando começaram os protestos que antecederam o impeachment de Dilma, em 2015, as reivindicações da população ia além dos 20 centavos de reajuste na passagem em São Paulo. Seja de forma orgânica ou orquestrada, o que se iniciou como uma plataforma benéfica, para que a população fosse ouvida em sua indignação com o que acreditava estar de errado, foi deturpada e usada de uma maneira que custará alguns anos de desenvolvimento ao Brasil. Além da queda de Dilma, a eleição presidencial seguinte trouxe algumas falácias irritantes e difíceis de contornar para massas facilmente manobráveis. E junto com elas, vieram axiomas questionáveis e que se mostraram contraditórios: Apenas os partidos de esquerda, principalmente o PT, são os responsáveis pelo atraso econômico e corrupção É
Pinheiro XV: Um ano de dificultosa travessia

Pinheiro XV: Um ano de dificultosa travessia

Artigo
  *Por Eliana Cavalcanti Comecei o ano de 2019, como sempre, com muitas esperanças. Já em janeiro, a notícia avassaladora sobre os problemas do bairro do Pinheiro nublou a minha mente e chicoteou a minha alma. Como reagir a tão desastrosa realidade? Resolvi, então,como foliona que sou, passar o carnaval em Recife. Só dois dias já seriam suficientes.“Voltei, Recife, foi a saudade que me trouxe pelo braço”. Assim que cheguei ao Marco Zero, olhando para o cais, percebi que as esculturas de Brennand estavam no escuro. Que absurdo, pensei! E tei bei, caí de costas, pois, desligada como sou, tropecei numa mureta. Perdi meu carnaval. Voltei para casa com uma fratura no úmero e um rompimento parcial num ligamento do ombro. Foram dois meses de fisioterapia, somados à mudança do Balle
Discordo: Lula não é uma ideia…É um sentimento

Discordo: Lula não é uma ideia…É um sentimento

Artigo, Expresso
Por Oswaldo Pife Discordo do Lula!Como ele diz, "Eu sou uma ideia", não me convence. Gostaria de dizer a ele que ele é "um sentimento". Ideia é diferente de sentimento. Todo mundo segue uma ideia. Uns são profundamente radicais; outros outrora arrependidos; tantos revisionistas; alhures encontramos uns tais de centro. Sentimento é diferente. Tem um quê de emoção. Tem um quê de perdão. Sim. Perdão. O Lula perdoou seus algozes. Simplesmente... Para quem tinha um sentimento de vingança, ele calou a todos nós. Denunciou a injustiça, elevou a voz contra a quadrilha da lava-jato. Mas fez aquilo que todo estadista deveria fazer: arrefecer o ódio. Pife
E lá se foi Vavá, nosso mestre das 4 linhas

E lá se foi Vavá, nosso mestre das 4 linhas

Artigo, Expresso
Por Pedro Rocha* Já era noite, por volta das 18:45h, uma quarta-feira, 23-Out-19, preparando-me para o terço dos homens, Paróquia Divino Espírito Santo, Jatiúca, quando li uma mensagem pelo WhatsApp, enviada pelo Ivan Feitosa, informando, que Valdemir Pereira Bezerra (Vavá), fora encontrado sem vida em seu apto no Conjunto Castelo Branco, Jatiuca. Fiquei atônito, diante da notícia revelada pelo amigo, que fora seu vizinho no Conjunto residencial. E cobrei caso tivesse notícias da causa da morte dele e a hora do sepultamento, retornasse para mim. De pronto, mandei uma mensagem para os amigos do Grupo Confraria EPJ (Encontro dos Paulojacintenses), informando da triste notícia! Caso alguém soubesse a respeito do velório, retornasse. Segui em direção à Paróquia Divino Espírito San
O assovio do Reinaldo Cavalcante

O assovio do Reinaldo Cavalcante

Artigo
Por Oswaldo Pife   A calçada alta, a imperdir-lhe maior rapidez dos seus passos, não o fez desistir de seguir em frente. Com seu jeito de andar altivo, a perna artificial até que dava um charme ao seu corpo de homem maduro e tornava-o único por aqui. Sempre fez um uma evolução ritimada com seus pequenos pés. Um de carne e osso; o outro... bem, como ele dizia, "um reserva". Seu lento e compassado jeito de ir até o fim em tudo finalmente alcançou a calçada alta. Ele olhou em volta, ninguém; ajeitou os óculos e olhou novamente para os lados, ninguém. Eu o via de longe, a propósito, sem me mexer para ajudá-lo, mas numa distância suficiente para socorrê-lo se preciso fosse. Sabia que o velho não desistiria em subir o primeiro batente (Via em sua iniciativa, depois que tin
O passado em aberto que assombra o futuro incerto de Aécio Neves

O passado em aberto que assombra o futuro incerto de Aécio Neves

Artigo
Por Breiller Pires* No auge de sua carreira, ainda no último mandato como governador de Minas Gerais, o herdeiro do trono imaginário de estadista nacional deixado por Tancredo Neves era exaltado pela habilidade de ser notado sem ser mal falado. O jeito Aécio de fazer política se baseava na discrição tipicamente mineira e num estilo conciliador que o fez colecionar apoios até mesmo de prefeitos de oposição ao PSDB no Estado. Hoje, atordoado por mais uma denúncia de corrupção —dessa vez na esteira da Operação Ross, em que a Polícia Federal suspeita que ele tenha recebido quase 110 milhões de reais em propina do grupo J&F—, o cacique tucano contempla o fracasso de uma estratégia oposta à que marcou sua trajetória: não ser notado para não ser mal falado. Até a eleição, 2018 conspirava
Advogado: Ceal é uma exceção e governo precisa indenizar Alagoas

Advogado: Ceal é uma exceção e governo precisa indenizar Alagoas

Artigo, Economia
Por Heleno Taveira Torres A privatização da Ceal (Companhia Energética de Alagoas) é um caso repleto de gravíssimos erros administrativos e da ineficiência da burocracia federal. Só a ignorância dos fatos e o longo tempo transcorrido explicam as dificuldades de sua compreensão. Soma-se a isso a proposta do governo federal de vender a empresa por míseros R$ 50 mil reais, sem qualquer avaliação independente ou processo licitatório para escolher a melhor proposta e o maior lance. O que diferencia o caso, porém, é que cabe à União indenizar Alagoas por não ter pago até o momento a outra metade do preço de venda da Ceal, em claro abuso de posição dominante. Portanto, como a situação da Ceal é diferente das demais distribuidoras de energia, não pode ser vendida nas mesmas condições. Passe
Torcendo pelo Brasil, torcendo pelo nosso futebol – juntos e misturados!

Torcendo pelo Brasil, torcendo pelo nosso futebol – juntos e misturados!

Artigo, Política
(*) Colaboração Armando Durval Uma nação; um povo abalado pela corrupção desenfreada de seus (quase todos!) políticos; uma Copa Mundial, dividindo torcedores fanáticos – da política e do futebol, duas paixões que vêm de longe - dos pais, dos avós - marcadas no coração de milhões de brasileiros: cada uma no seu tempo e no seu espaço. Agora é a vez do futebol, um mundo de cores e alegrias desfilando em nossas televisões, nos bares, nos shoppings, nas conversas e comemorações que compartilhamos com amigos e estranhos, unidos na mesma paixão: ver a seleção jogar e torcer pela vitória do Brasil. Com isso não quero dizer para ignorar nossa situação política. Torcendo pela seleção, não quer dizer que torço contra o país. Definitivamente, eu e meio mundo de brasileiros queremos viver a al
Pais de LGBT: conflitos e perspectivas

Pais de LGBT: conflitos e perspectivas

Artigo
Por Luís Corrêa Lima* A situação de pais e mães de LGBT é muito peculiar e delicada. A grande maioria deles sonhou com filhos cisgêneros (identificados com o sexo que lhes é atribuído ao nascer) e heterossexuais, que se casariam com pessoas do sexo oposto e assim lhes dariam netos. Quando esta expectativa não se concretiza, muitas vezes ficam consternados. É algo semelhante ao luto. O filho ou a filha que eles sonharam não existe mais. Conviver com esta dura realidade exige paciência e abertura. É preciso exortá-los que os filhos, quaisquer que sejam, são sempre um presente de Deus criador aos pais e à humanidade, assim como a vida de qualquer ser humano. E os pais são para eles um instrumento da Providência divina para que tenham vida, afeto, educação e valores. Ter filhos LGBT