25 de maio de 2020Informação, independência e credibilidade
Blog

O Grande Mentecapto: O risco do mau exemplo quando se brinca com a vida

Em qualquer situação, é preciso estar atento à influência dos nossos atos e palavras na vida de outras pessoas

Revendo algumas leituras, deparo-me com O Grande Mentecapto (Fernando Sabino – 1979). Sempre recordo esse título quando me deparo com situações de insensatez, daquelas em que se questiona a sanidade mental de quem as  promove.

A história (fictícia) foca no personagem Geraldo Viramundo e suas peripécias desmioladas, a começar, quando ainda criança, resolve desafiar a própria vida, jogando-se na frente de um trem em movimento, para mostrar que conseguiria fazer a locomotiva parar e assim, ganhar uma aposta com os ‘pareceiros’. Teve sorte! O trem, de fato, parou; o garoto ganhou fama na pequena cidade de Rio Acima; tornou-se conhecido como “o menino que fez o trem parar”; virou uma espécie de mito para muitas crianças da sua idade; e nem percebeu a dimensão a que poderia chegar a sua insensatez…

… Até que o pequeno Pingolinha resolveu imitar seu “herói”…  E morreu esmagado pela locomotiva.

Uma consequência devastadora; uma tragédia que, na ficção, deu novos significados à “coragem” de Viramundo: irresponsabilidade; insanidade; culpabilidade.

Tá pensando o mesmo que eu?! Já respondo: Qualquer semelhança terá sido mera coincidência (em parte). Até porque, na sua meninice, Viramundo não tinha discernimento para medir a influência do seu gesto louco na cabeça de outras pessoas. E conviveu pelo resto da vida com o sentimento de culpa pela morte de Pingolinha.

A história de Fernando Sabino não se resume a isso. Muitas outras trapalhadas marcaram a vida do fictício Viramundo – coisas que não caberiam aqui, porque se dispersam do foco da nossa abordagem. E o personagem não era movido pela maldade das articulações políticas e econômicas inconsequentes que movem personalidades da vida real. Mas convergia, na sua impetuosidade quase idiota, para o mesmo conceito que dá título ao livro:

Mentecapto – que ou quem é mentalmente desordenado; quem perdeu o juízo; destituído de bom senso.

Aqui pensando: O ato insano de Viramundo custou uma vida. E ele não era presidente nem do clubinho da bola de gude da pequena cidade de Rio Acima…

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.