13 de dezembro de 2019Informação, independência e credibilidade
Maceió

Pescadores e marisqueiras buscam solução para a taxa cobrada no Centro Pesqueiro

Maior questão é a estrutura do local, pois três pescadores terão que dividir um box medido nove metros quadrados.

Centro Pesqueiro em Jaraguá, Maceió. Foto: Marco Antônio/Secom

Após quase três anos de espera pela entrega e funcionamento do Centro Pesqueiro do Jaraguá, marisqueiras e pescadores estão apreensivos com o modelo de administração do local, que impõe o pagamento de altas taxas, assim como a falta de estrutura adequada para comportar o armazenamento e comercialização de mais de 140 trabalhadores.

Para poder comercializar no local, cada trabalhador deverá pagar uma taxa de permanência mensal nos boxes no valor de R$ 587,00, mais R$ 155,00 para fazer a revenda, mais R$ 55,00 da taxa de produção e mais R$ 100,00 para utilização da câmara fria.

Em busca de solucionar o impasse, junto com a Secretaria Municipal de Turismo e a Organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP), que assumiu a administração do local, os pescadores e marisqueiras procuraram à Câmara de Vereadores para expor a situação.

“Para nós foi muita frustração esperar tanto tempo como esse e agora vim uma empresa para dizer o que podemos e não podemos fazer, além de cobrar uma taxa tão alta para nós vendermos o produto que é a sobrevivência da nossa família”. Dona Lúcia, marisqueira.

A maior questão do grupo está ligada diretamente ao pagamento das taxas e a estrutura do local, pois três pescadores terão que dividir um box medido nove metros quadrados.

“Esse espaço realmente é muito pequeno para abrigar essas três pessoas e ainda o material que será comercializado. O que estamos entendendo aqui é que essas pessoas não foram ouvidas para fazer a adequação do Mercado do Peixe, que está dentro do Centro Pesqueiro, para dar suporte necessário a esses trabalhadores”. Francisco Sales, vereador.

A proposta da reunião é abrir o diálogo necessário para que essas modificações possam ser feitas antes que o grupo seja transferido da antiga Balança do Peixe.

A presidente da Associação dos Moradores do Jaraguá, Francineide Oliveira, afirma que a empresa que assumiu a administração não tem cedido o espaço para que os próprios pescadores façam suas sugestões e esses trabalhadores estão perdendo seus direitos, principalmente o poder de gerar suas rendas.

De acordo com o Francisco Sales, será necessário que a Secretaria de Turismo e a OSCIP prestem esclarecimentos à Câmara de como foi discutido todo esse processo que chegou a cobrança das taxas, e também sobre a adequação do espaço para comercialização.

“Vamos pedir um posicionamento de como os cálculos foram feitos para chegar a esse valor de R$ 587,00 por box, assim como as demais taxas”. Francisco Sales.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.