7 de dezembro de 2019Informação, independência e credibilidade
Alagoas

A 54 km da costa: Pesquisadores da Ufal afirmam que óleo está vazando do fundo do mar

Imagens mostram que a origem do vazamento pode estar ocorrendo abaixo da superfície do mar, consequência de perfuração

atualização: A Marinha Brasileira disse que a mancha, que estaria avançando pelo mar da Bahia, identificada nas imagens de satélite e interpretada pela Ufal como a responsável pelas manchas nas praias do Nordeste, não é de óleo.

Reprodução: Lapis

Um enorme vazamento de óleo, com 55 km de extensão e 6 km de largura, a uma distância de 54 km da Costa do Nordeste, foi encontrado por pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

Com imagens de satélites, o Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Ufal, eles acreditam poder explicar a origem das manchas de óleo nas praias do Nordeste.

O local, detectado por um padrão característico de manchas de óleo no oceano, em formato de meia lua, fica no Sul da Bahia, nas proximidades dos municípios de Itamaraju e Prado.

O pesquisador afirma que, pela localização do óleo, é algo muito maior do que um mero derramamento acidental ou proposital de óleo, a partir de um navio, é um vazamento que está abaixo da superfície do mar, consequência de perfuração.

“Ontem tivemos um grande impacto, pois, pela primeira vez, encontramos um assinatura espacial diferenciada. Ela mostra que a origem do vazamento pode estar ocorrendo abaixo da superfície do mar. Com isso, levantamos a hipótese de que a poluição pode ter sido causada por um grande vazamento em minas de petróleo ou, pela sua localização, pode ter ocorrido até mesmo na região do Pré-Sal”. Humberto Barbosa, pesquisador do Lapis.

Toda aquela região sedimentar, observada pelo pesquisador, está nas proximidades de áreas de exploração de petróleo, conforme mapeamento abaixo, da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Reprodução: Lapis

O pesquisador já havia encontrado, manchas menores de óleo no mar, a partir de imagens de satélite, em datas retroativas dos últimos sessenta dias. Mas como as imagens anteriores mostravam o piche já fragmentado, não havia como identificar o padrão de vazamento.

Somente nesta segunda (30) o pesquisador encontrou uma imagem mais completa que permitiu uma maior precisão sobre o padrão característico do vazamento. A detecção foi complementada com o levantamento de informações sísmicas e de outras variáveis do local.

As imagens foram observadas retroativamente, desde o mês de maio, processando esses dados por faixas, a partir de uma grande quantidade de dados de toda a Costa do Nordeste brasileiro, chegando até o Espírito Santo.

Reprodução: Lapis

A análise exigiu capacidade computacional, de processamento e de análise instalada no Laboratório. Foram utilizadas técnicas de processamento que permitiram realçar o contraste das manchas de óleo na água, separando o sinal de manchas de petróleo de qualquer outro ruído.

“É como a montagem de um quebra-cabeça, com peças muito dispersas, que são as manchas muito espalhadas pelas correntezas no Litoral do Nordeste do Brasil, principalmente nas faixas costeiras. De repente, você encontra uma peça-chave, mais lógica, foi o que ocorreu ontem ao encontrar essa imagem. Foi a primeira vez que observamos, para esse caso, uma imagem de satélite que detectou uma faixa da mancha de óleo original, ainda não fragmentada e ainda não carregada pelas correntezas”. Humberto Barbosa.

Na manhã desta terça-feira, dia 29, o Laboratório comunicou à Comissão do Senado, responsável pelo acompanhamento da poluição por óleo no Nordeste, a detecção realizada ontem a partir de imagens de satélites. Essas informações contribuirão nas investigações sobre o incidente.

Anteriormente, o governo, de forma oficial, acredita que a origem do petróleo é venezuelana. Extra-oficialmente, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou até mesmo a acusar o Greenpeace.

Deste então, mais de 2 mil toneladas já foram retiradas das praias do Nordeeste. A contabilização do governo registra 254 localidades atingidas. Nesta terça-feira, ainda havia 19 praias com manchas de óleo.

Vista geral de um derramamento de óleo na praia de Peroba em Maragogi,estado de Alagoas, Brasil, outubro de 2019. Foto tirada em 17 de outubro de 2019. Foto: Diego Nigro

5 Comments

  • Avatar Octacilio Neto

    mas o governo bolsonaro não acredita em dados de satelite. inlcusive, foi por esse meio que Bolsonaro demitiu um diretor do INPI que divulgou imagens de devastação e queimadas na amazonia.

  • Avatar Maria José

    Se realmente for comprovado este problema todo o nordeste deverá ser indenizado pelo pré sal de todo o dano ambiental

  • Avatar Valdevino Batista dos Santos

    Talvez esse governo entreguista esteja querendo abafar o caso pra não ter empecilhos na venda da Petrobras.

  • Avatar Sonia Dantas

    Meu jesus! Admitir a realidade é o melhor papel que qualquer autoridade responsável por essa questão tem que fazer e tomar as devidas providências. Isto é urgente doa a quem doer!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.