3 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade
Mundo

Professores nos EUA já atualizam seus testamentos para o retorno das aulas

Só no Rio de Janeiro, FioCruz prevê 3 mil mortes caso aulas retornem em agosto

Nesta semana, o Conselho de Educação do Condado de Orange aprovou em votação o retorno das crianças às escolas. Sem máscaras ou distanciamento social, apesar do aumento nos casos de coronavírus e de mais de 7.000 mortes de Covid-19 no estado.

Claro, o retorno de volta às aulas com um plano com um número “aceitável” de mortes entre professores e estudantes alarmou os profissionais envolvidos na educação.

As decisões sobre se as escolas serão reabertas e em que capacidade foram deixadas principalmente para os distritos escolares. Ou seja: não é só por aqui que a ciência vem perdendo espaço nas decisões durante esta pandemia.

Leia mais: Reabertura das escolas em Israel foi um desastre que anulou os ganhos do bloqueio

O presidente Donald Trump pressiona a abertura das escolas e reclama que as diretrizes são “muito difíceis e caras”. Ou seja: há um custo oneroso, inaceitável segundo ele, para auxiliar crianças e profissionais da educação.

De uma coisa, os professores têm certeza: o risco é sério. Segundo a CNN americana, muitos deles já atualizam até mesmo seus testamentos. Os profissionais também aconselham aos demais colegas fazer um seguro de vida suplementar.

Ansiedade

Os professores com os quais a CNN conversou se descreveram como planejadores, mas disseram que precisam saber o que planejar. Alguns professores se sentem mais vulneráveis ​​ao coronavírus porque são mais velhos ou têm problemas de saúde.

“Estou extremamente ansioso com a morte. Eu gosto de estar no controle. Isso me assusta, porque eu não estou no controle.” Forehand, professora.

Embora sua idade não a coloque em um grupo de alto risco, Forehand disse que ela tem asma moderada a grave. “Não sou de me arriscar”, disse ela. “Não é algo que eu queira brincar.”

Eleeza, que tem condições médicas que a colocam em risco de doença grave ou morte se ela contrair o vírus, disse que não foi para nenhum outro lugar, exceto em sua casa, desde 13 de março.

No mês que vem, ela estará em uma escola que normalmente tem 2.000 alunos e centenas de funcionários em um prédio que ela diz estar mal ventilado. Suas salas de aula normalmente têm de 35 a 38 alunos. Ela questiona a limpeza de cada computador , que cada aluno usa, entre as aulas.

“Para fazer isso, tenho que me expor a áreas de alto toque. Então, minha ansiedade é muito alta, porque eu tenho medo de trazê-la para casa para minha família. Mesmo usando máscaras, usando desinfetante para as mãos, sinto que estamos meio que sendo jogados nela”. Eleeza, professora.

Fiocruz no Rio

A situação não é muito diferente no Brasil. Mais precisamente no Rio de Janeiro, a Fiocruz prevê até 3.000 novas mortes no estado, por covid-19, se as aulas nas escolas forem retomadas a partir de agosto.

O estudo traça um panorama em todo o país do impacto da volta às aulas em uma população de mais de 9 milhões de pessoas do grupo de risco que convivem na mesma casa com crianças e adolescentes em idade escolar —600 mil delas moram no Rio.

A estimativa leva em consideração idosos com mais de 60 anos e pessoas com diabetes, problemas no coração ou no pulmão que convivem na mesma casa com ao menos uma pessoa com idade entre 3 e 17 anos. Segundo a Fiocruz, cerca de 10% dessa população deve precisar de cuidados intensivos —o equivalente a 60 mil pessoas no Rio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.