3 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade
Mundo

Reabertura das escolas em Israel foi um desastre que anulou os ganhos do bloqueio

Dos 1.400 israelenses diagnosticados com Covis-19 no mês passado, 657 (47%) foram infectados nas escolas – 2.026 alunos, professores e funcionários o possuem e 28.147 estão em quarentena.

O ressurgimento incontrolável de Israel do COVID-19 foi impulsionado pela decisão abrupta de 17 de maio de reabrir todas as escolas, disseram autoridades médicas e de saúde pública ao jornal The Daily Beast.

“Sabemos que os israelenses têm uma disciplina terrível, mas agora é a liderança”. Galia Rahav, Centro Médico Sheba em Tel Aviv.

A avaliação da trajetória de Israel tem relação direta com o acalorado debate em andamento nos Estados Unidos entre o presidente Donald Trump, que exige uma reabertura nacional de escolas pelo que parecem ser razões amplamente políticas, e as autoridades de saúde que o alertam podem colocar a população em geral em risco.

Em 17 de maio em Israel parecia que o vírus estava não só sob controle, como derrotado. Israel relatou apenas 10 novos casos de Covid-19 em todo o país naquele dia. Nos EUA, o debate geralmente é sobre a reabertura de escolas onde a doença não está apenas em declínio, mas em alta.

“Não há nada nos dados que sugira que as crianças que frequentam a escola sejam perigosas”. Betsy DeVos, secretária de Educação dos EUA.

Mas esse não é o caso em Israel, onde os dados de junho, último mês para os quais há um conjunto completo de estatísticas, parecem muito claros.

O país de 9 milhões de pessoas seguiu dois meses de bloqueio quase total. 17 de maio também foi o dia em que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seu ex-rival Benny Gantz juraram o “governo de emergência corona”, cujo único objetivo declarado é combater a propagação do vírus.

O decreto de Netanyahu de que todo o sistema escolar do país seria reaberto foi uma jogada política para sinalizar que tudo estava sob controle.

O anúncio seguiu um experimento mais cauteloso de várias semanas, em que apenas as crianças do primeiro, segundo e terceiro ano foram trazidas de volta para as salas de aula e ensinadas em pequenos grupos não interceptados chamados “cápsulas”.

“Não houve aumento mensurável no contágio. Ao contrário de nossos conselhos, o governo decidiu abrir todo o sistema de uma só vez em 17 de maio. O que aconteceu a seguir foi totalmente previsível”. Hagai Levine, epidemiologista e presidente da Associação Israelense de Médicos de Saúde Pública.

O primeiro-ministro de Isreal, Benjamin Netanyahu

Reabertura

Em 3 de junho, duas semanas após a abertura das escolas, mais de 244 estudantes e funcionários foram considerados positivos para o Covid-19.

Segundo o ministério da educação, 2.026 estudantes, professores e funcionários contrataram o Covid-19 e 28.147 estão em quarentena devido a um possível contágio.

Apenas nas duas primeiras semanas de julho, 393 jardins de infância e escolas abertas para programas de verão foram fechados devido a casos de Covid-19.

O nível de contágio escolar tornou-se público na semana passada, durante o depoimento prestado aos legisladores israelenses por Udi Kliner, vice-diretor de serviços de saúde pública do ministério da Saúde, cujo chefe havia acabado de sair em protesto contra o mau uso da crise pelo governo. Israel agora ultrapassa 1.200 novos casos de Covid-19 por dia.

Na terça-feira, Israel registrou 1.681 novos casos de infecção por Covid-19, seu pior resultado desde o início do surto. A fonte da explosão da infecção pode ser vista claramente nos números de junho.

Como Kliner disse ao Knesset, 1.400 israelenses foram diagnosticados com a doença no mês passado. Dessas, 185 foram presas em eventos como casamentos, 128 em hospitais, 113 em locais de trabalho, 108 em restaurantes, bares ou boates e 116 em sinagogas, segundo Kliner, enquanto 657 – ou seja, 47% do total. Foram infectados pelo coronavírus nas escolas.

“Adultos, incluindo professores e outros funcionários, trouxeram para as escolas, que são, no final, espaços fechados. Os alunos mais jovens eram mais obedientes e mais fáceis de controlar em sala de aula e tinham mais respeito por seus professores. Entre os estudantes do ensino médio, houve uma maior capacidade de entender. Mas é da natureza das crianças do ensino médio se rebelar, não obedecer aos professores, não usar máscaras ou se separar. ” Mohammad Khatib, professor.

Brasil

Sete estados planejam a volta das aulas presenciais nas escolas públicas para os meses de agosto e setembro. Dois deles, porém, têm registrado aceleração no número de mortes por covid-19.

Os dados sobre o retorno das aulas foram obtidos com as secretarias entre os dias 2 e 8 de julho pelo UOL. Em todo o país, escolas das redes estaduais estão fechadas há cerca de quatro meses devido à pandemia do coronavírus.

Em Goiás e no Tocantins, há possibilidade de retorno das aulas presenciais em agosto. Ambos os estados, no entanto, apresentaram aceleração no número de mortes causadas pela covid-19 nas duas últimas semanas, como mostraram os dados divulgados ontem pelo consórcio de veículos de imprensa.

Outra região que vem apresentando alta no número de mortes por coronavírus e que previa a volta das aulas presenciais para o mês de agosto é o Distrito Federal.

Na última quarta-feira (8), o governador Ibaneis Rocha (MDB) recuou e suspendeu a reabertura das escolas públicas, antes marcada para o dia 3 de agosto. Ainda não foi definida uma nova data para o retorno.

No Maranhão, um decreto do governador Flávio Dino (PCdoB) autoriza todas as instituições de ensino a retomarem suas atividades presenciais a partir do dia 3 de agosto.

O cenário é semelhante no Rio Grande do Norte. Há previsão de que as aulas presenciais sejam retomadas no dia 14 de agosto, se houver condições sanitárias. Acre e São Paulo preveem volta em setembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.