12 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade
Brasil

Reabertura de bares no Rio de Janeiro foi um desastre sanitário

Houve um grande número de pessoas aglomeradas nas calçadas e sem máscaras de proteção facial

Após três meses de quarentena, nesta quinta (2) houve a reabertura de de bares e restaurantes no Rio de Janeiro. E, infelizmente, aconteceu o esperado: o movimento lotou as ruas do Leblon, na zona sul carioca. Houve um grande número de pessoas aglomeradas nas calçadas e sem máscaras de proteção facial.

E o resultado, que evidentemente provocará um salto nas estatísticas da covid-19 no Rio, segundo o vereador Tarcísio Mottta (PSOL), seria culpa do prefeito da cidade, Marcelo Crivella.

Bares, lanchonetes e restaurantes estão liberados a servir clientes, desde que seja respeitado o distanciamento de dois metros entre as mesas e capacidade máxima de 50% da lotação na área interna.

Segundo Crivella, que liberou também o funcionamento de outras atividades como academias, treinos na areia e estúdios de tatuagem, a flexibilização é possível devido ao indicadores apurados pela Secretaria Municipal de Saúde no combate à Covid-19.

“Não há nada que celebrar, mas estamos nessa luta desde março. Sem sombra de dúvida, a baixa demanda de leitos de UTI e de enfermaria e o número de óbitos, que está estabilizado, nos mostram que tivemos um pico tenebroso em maio e que, depois, caímos para os patamares dos dias atuais”. Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro.

A capital fluminense tem 58.615 casos e 6.689 óbitos confirmados pelo coronavírus, o que corresponde a cerca de metade dos registros no estado. Na manhã desta quinta, os leitos públicos para a Covid-19 na cidade estavam com 70% de ocupação nas UTIs e 39% nas enfermarias.

Prefeitura instalou bloqueio na orla por conta da pandemia. Foto:Marco Antônio/Secom Maceió

Maceió

Entrando em na “fase Laranja”, Maceió iniciou nesta sexta-feira (3) um novo decreto, com um maior relaxamento de atividades. Lojas ou estabelecimentos de rua com até 400 m², salões de beleza e barbearias ou mesmo a orla de Maceió já estão liberadas. Ainda que com restrições.

Para a reabertura de bares, antes seria preciso que a Capital adentre na fase Amarela, em que também restaurantes voltariam a funcionar, ainda que com 50% de sua capacidade.

Apesar disso tudo, o Comitê Científico do Nordeste, no entanto, recomenda na verdade um lockdown para Maceió, pois esta reabertura foi considerada precoce. E poderia provocar um efeito bumerangue e fazer com que cresça novamente o número de casos e mortes na Capital.

One Comment

  • Avatar Marli

    Vai na onda quem quer. O presidente quer tirar máscara e outros . Quanto menos aposentadoria pra pagar melhor para eles governantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.