8 de agosto de 2020Informação, independência e credibilidade
Justiça

Responsável pela soltura de Queiroz negou o mesmo a diabética de 66 anos portadora de HIV

Felix Fischer, do STJ, argumentou que a idosa estava recebendo os cuidados adequados na prisão

Relator do caso de Fabrício Queiroz no STJ, o ministro Felix Fischer rejeitou em junho a transferência para a prisão domiciliar de uma idosa de 66 anos, hipertensa, diabética e portadora de HIV, que foi condenada por tráfico.

Fisher reforçou o argumento da juíza de primeira instância de que ela estava recebendo os cuidados adequados na prisão. E citou a impossibilidade de saber se ela seguiria os protocolos de higiene em sua residência.

Claro, Queiroz foi autorizado a ir para a domiciliar pelo presidente do STJ, João Otávio de Noronha. Fischer poderá rever a decisão.

Queiroz

Queiroz deixou o presídio na última sexta feira por uma decisão do Superior Tribunal de Justiça. A defesa alega que ele tem problemas de saúde – se trata contra um câncer – e que Márcia precisaria auxiliar o marido em casa.

Fabrício Queiroz é acusado de ser o operador de um esquema de atividades financeiras suspeitas no gabinete do então deputado estadual, Flávio Bolsonaro, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Mal chegou em casa e Fabrício Queiroz teve o nome envolvido em outro caso polêmico. Um assassinato ocorrido em 2003, quando ainda atuava como PM, e que foi registrado como homicídio por confronto com a polícia.

O Ministério Público do Rio aponta falhas na investigação, e diz que Queiroz participou da operação e pode estar envolvido na morte de um homem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.