12 de julho de 2020Informação, independência e credibilidade
Política

Sentido, Bolsonaro contra-ataca Moro e afirma que ex-juiz pediu vaga no STF

Com todo o corpo ministerial ao seu lado, presidente falou de praticamente todas as acusações que já sofreu; Logo após o término da fala, o ex-ministro foi ao Twitter e começou a desmentir Bolsonaro

Em pronunciamento, Jair Bolsonaro falou sobre a saída de Sergio Moro do governo. E muito mais. Em tom de desabafo e acompanhado de seu corpo ministerial e outros próximos do entorno, o presidente tentou partir para o lado emocional. E pode ter se complicado mais.

Ele confirmou que havia interferido na PF ao menos para investigar Adélio Bispo, homem que o esfaqueou durante as eleições de 2018. Bolsonaro chegou a chamar Adélio de assassino e questionou porque a investigação contra quem o esfaqueou, já preso, teve mais importância do que a dúvida sobre quem matou Marielle Franco.

O presidente tocou em praticamente todos os assuntos possíveis em que, um dia, já foi acusado de ter feito. Desde o uso do cartão corporativo até seus gastos com aluguel. Fugindo do tema, o presidente resolveu falar de tudo. Inclusive como, com Paulo Guedes (único com máscara) partiu para cima do Inmetro. Com orgulho, ele disse ter ‘implodido o Inmetro’.

PF

E após falar até do porteiro de seu condomínio, o presidente finalmente valou de Valeixo, diretor exonerado da diretoria do PF: ele garante que o mesmo disse estar cansado e que desde janeiro queria sair. “Nós cansamos, não somos máquinas”, teria dito ele. E que isso foi passado para Moro.

Bolsonaro diz que sempre abriu o coração para Moro, mas não tem certeza que o ex-juiz um dia já teria feito isso por ele. Aliás, Bolsonaro ficou sentido quando eles se viram pela primeira vez: Jair bateu continência e não foi reconhecido. Bolsonaro disse que Moro era seu herói, mas naquela ocasião, não chorou.

O problema foi que, para convencer Moro a trocar Valeixo, o presidente disse que teria sugerido até um sorteio. Vale lembrar que, apesar de ter prometido carta branca para Sergio Moro, é o presidente da República quem escolhe o diretor da PF.

Uma hora após a fala de Bolsonaro, Moro afirmou, no Twitter, que Valeixo estaria ‘cansado’ exatamente por causa do presidente. E reafirmou que não houve qualquer pedido de demissão e nem mesmo o decreto passou por ele.

Vaga no STF

O detalhe mais revelador do pronunciamento foi que, segundo Bolsonaro, Moro teria condicionado um novo nome para PF apenas em novembro, após ele ser indicado para uma cadeira no Supremo Tribunal Federal.

Nunca foi comprovado, mas cresceu logo no início do governo o burburinho que Moro teria aceitado deixar de ser juiz e ministrar no governo de Bolsonaro em troca de uma cadeira no STF.

A lei obriga que os membros do Supremo deixem o cargo após completarem 75 anos. Neste ano de 2020, Celso de Mello vai se aposentar em 1º de novembro (ele é ministro desde 1989) e no ano seguinte, em 2021, é a vez de Marco Aurélio Mello aposentar a toga.

Moro já chegou a dizer que seria como ganhar na loteria ser ministro do STF. Mas, dessa vez, ele não só negou que condicionou a escolha como Bolsonaro, como afirmou, logo após o depoimento desta tarde, que teria concordado com a substituição se esse fosse seu objetivo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.