4 de junho de 2020Informação, independência e credibilidade
Política

Silas Malafaia compara pastor a médico e diz que não suspenderá cultos

Pastor disse que só a Justiça fechará seus templos, que segundo ele, são o local mais seguro durante a ‘paranoia’

O pastor Silas Malafaia promoveu na noite de quarta (18) um culto com cerca de 350 fiéis, Assembleia de Deus Vitória em Cristo de Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro, ignorando orientações de isolamento para evitar a disseminação do novo coronavírus.

Foram 50 minutos de culto e lá ele pediu que os fiéis não se deixassem levar pelo medo e seguissem frequentando a igreja. Malafaia disse que a pandemia era uma paranoia a ser evitada e comparou o trabalho do pastor com o do médico, afirmando que o templo oferece maior proteção.

Com sua imagem reproduzida em dois telões, Silas Malafaia dedicou a pregação às orientações sobre o novo coronavírus.

“Nós não obrigamos ninguém a vir ao culto. O conselho que dou é que as pessoas de idade, mesmo que não tenham tosse ou febre, fiquem em casa. Aqui, é o lugar de maior proteção que pode existir”. Silas Malafaia, pastor em completa contradição.

Ele falou para muitos idosos e crianças, com as primeiras filas da igreja completamente ocupadas e fiéis sentados lado a lado. Mas o templo não estava lotado. Isso significa menos dinheiro para ele, portanto o líder religioso tem publicado vídeos em seu perfil no Twitter dizendo que não irá fechar as igrejas por causa da pandemia. Disse que só fechará os templos com ordem judicial.

Apesar disso, ele anunciou a suspensão por tempo indeterminado de encontros promovidos pela igreja e cancelou cultos marcados em outras regiões do país ainda neste mês, como Joinville (SC), Curitiba (PR), Santo André (SP), e a inauguração de um templo em Jaraguá do Sul (SC). Mas manteve os cultos no Rio de Janeiro, na noite desta quinta e promoverá um culto na Penha, zona norte.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.