24 de fevereiro de 2020Informação, independência e credibilidade

Tag: dólar

Em alta, dólar supera R$ 4,40 pela 1ª vez na história

Em alta, dólar supera R$ 4,40 pela 1ª vez na história

Economia, Expresso
No início da manhã de sexta-feira (21), o dólar opera em alta e bateu logo na abertura do pregão, pela primeira vez na história, o patamar de R$ 4,40. Às 10h26, a moeda norte-americana era negociada a R$ 4,3990 na venda, em alta de 0,17%. Na máxima até o momento chegou a R$ 4,4061.  Já o dólar turismo era negociado a R$ 4,6056, sem considerar a cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Leia mais Bolsonaro pressiona Guedes para entregar, no mínimo, crescimento de 2% no PIB Dólar supera R$ 4,35 e Guedes critica período que até ‘empregada ia à Disney’ Guedes chama servidores de parasitas e delegados da PF protestam Guedes em Davos: ‘O grande inimigo do meio ambiente é a pobreza’ Na sessão anterior, o dólar encerrou o dia vendida a R$ 4,3917, em alta de 0,61%, marcand
Quem votou em Bolsonaro para baixar o dólar foi enganado ou fez papel de ótario

Quem votou em Bolsonaro para baixar o dólar foi enganado ou fez papel de ótario

Artigo, Opinião
Quando começaram os protestos que antecederam o impeachment de Dilma, em 2015, as reivindicações da população ia além dos 20 centavos de reajuste na passagem em São Paulo. Seja de forma orgânica ou orquestrada, o que se iniciou como uma plataforma benéfica, para que a população fosse ouvida em sua indignação com o que acreditava estar de errado, foi deturpada e usada de uma maneira que custará alguns anos de desenvolvimento ao Brasil. Além da queda de Dilma, a eleição presidencial seguinte trouxe algumas falácias irritantes e difíceis de contornar para massas facilmente manobráveis. E junto com elas, vieram axiomas questionáveis e que se mostraram contraditórios: Apenas os partidos de esquerda, principalmente o PT, são os responsáveis pelo atraso econômico e corrupção É
Dólar supera R$ 4,35 e Guedes critica período que até ‘empregada ia à Disney’

Dólar supera R$ 4,35 e Guedes critica período que até ‘empregada ia à Disney’

Economia
A cotação do dólar voltou a subir e fechou nesta quarta-feira (12) em nova máxima histórica nominal , acima de R$ 4,35 na venda. E com certo desdém, o ministro da Economia, Paulo Guedes, resolveu se atentar ao copo meio cheio da situação. E criticou o período que o dólar custava menos de dois reais. Ele afirmou após o fechamento da bolsa que, quando o dólar estava próximo a R$ 1,80, as exportações caíam, mas o país tinha "todo mundo indo para Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia, uma festa danada". Com o exemplo da empregada doméstica, Guedes quis dizer que a taxa de câmbio estava tão valorizada que todo mundo estava indo para Disneylândia, até classes sociais mais baixas. "Todo mundo tem que ir para Disneylândia conhecer Walt Disney. Mas não ir três, quatro
R$ 4,28: Dólar fechou no maior nível desde criação do real

R$ 4,28: Dólar fechou no maior nível desde criação do real

Economia
Em um dia marcado por forte volatilidade no mercado financeiro, o dólar subiu e voltou a fechar no maior valor nominal desde a criação do real. O dólar comercial encerrou a quinta-feira (6) vendido a R$ 4,286, com alta de R$ 0,047 (1,11%). Nem a intervenção do Banco Central (BC), que leiloou US$ 650 milhões, segurou a cotação. A divisa chegou a abrir em baixa. Na mínima do dia, por volta das 9h, caiu abaixo de R$ 4,22. O câmbio, no entanto, reverteu o movimento e passou a subir no início da tarde, até encerrar na máxima do dia. O dólar acumula alta de 6,8% em 2020. O euro comercial também subiu e fechou o dia em R$ 4,703, alta de 0,93%. Coronavírus A sessão foi marcada pelo receio de que o novo vírus descoberto na China traga impactos para a segunda maior economia do planet
Virou rotina: Dólar sobe e bate novo recorde

Virou rotina: Dólar sobe e bate novo recorde

Economia
O dólar comercial fechou o dia em alta de 044%, a R$ 4,259 na venda, e alcançou o valor mais alto desde a criação do Plano Real pelo terceiro dia seguido, mesmo depois de o Banco Central ter feito nova venda de moeda à vista, a terceira em dois dias. O Banco Central realizou um leilão extraordinário de venda de dólar à vista nesta quarta-feira (27). Antes da medida, a moeda estava acima de R$ 4,27. Após o leilão, a alta desacelerou, chegando à casa dos R$ 4,24, mas retomou fôlego, fechando o dia perto de R$ 4,26. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou o dia em alta de 0,61%, aos 107.707,75 pontos. Carta Branca O presidente Jair Bolsonaro, em visita a Manaus nesta quarta-feira (27), evitou opinar sobre a alta do dólar, mesmo após intervenções do Banco Centr
Dólar sobe e bate novo recorde

Dólar sobe e bate novo recorde

Economia
A cotação do dólar registrou nesta terça-feira (26) novo recorde nominal desde a criação do Plano Real, fechando a R$ 4,24 na venda. E o mercado aponta que avanço da moeda e deveu à repercussão negativa das declarações recentes do ministro da Economia, Paulo Guedes e aos investidores estrangeiros descrentes sobre a economia brasileira. Na noite de segunda (25), Paulo Guede disse que o brasileiro não pode ser pego de surpresa uma possível radicalização dos protestos de rua no Brasil, durante entrevista coletiva em Washington, quando comentava a convulsão social e institucional em países da América Latina: “Sejam responsáveis, pratiquem a democracia. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que r
Dólar fecha a R$ 4,215 e bate novo recorde

Dólar fecha a R$ 4,215 e bate novo recorde

Economia, Expresso
O dólar comercial fechou o dia em alta de 0,53%, a R$ 4,215 na venda, nova máxima nominal para o fechamento do dia desde a criação do Plano Real. Na segunda-feira (18) o dólar já tinha batido o recorde nominal. O avanço do dólar na sessão foi puxado pelo dia de fortalecimento global da moeda e por renovadas preocupações com as perspectivas de ingresso de recursos ao país. As desastrosas políticas de Jair Bolsonaro e do ministro da Economia Paulo Guedes já provocaram a maior saída de dólares do Brasil nos últimos 37 anos. É o pior fluxo cambial registrado desde 198. Mesmo considerando apenas o volume de transações até outubro, o déficit acumulado em 2019 é de US$ 21,46 bilhões,número maior que os US$ 16,18 bilhões de 1999, até então o pior ano da série histórica.
Mercado financeiro eleva estimativa de inflação

Mercado financeiro eleva estimativa de inflação

Expresso
A previsão de instituições financeiras para a inflação este ano subiu, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), passou de 3,29% para 3,31%. Para o ano seguinte não houve alteração: 3,60%, em 2020. As projeções para 2019 e 2020 estão abaixo do centro da meta de inflação, de 4,25% em 2019 e 4% em 2020. A estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi mantida em 0,92% este ano. Para 2020, a projeção subiu de 2% para 2,08%. Já a expectativa para 2021 2022, permanece em 2,50%. A previsão para a cotação do dólar segue em R$ 4 para o fim de 2019 e 2020.  
Bolsa bateu recorde: Dólar cai a R$ 4,033, menor valor em 2 meses

Bolsa bateu recorde: Dólar cai a R$ 4,033, menor valor em 2 meses

Expresso
O dólar comercial fechou o dia em queda de 1,05%, a R$ 4,033 na venda, menor valor em dois meses, em 21 de agosto, quando havia fechado a R$ 4,031. O valor do dólar refere-se ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, encerrou o dia com alta de 0,15%, aos 107.543,59 pontos, batendo um novo recorde de fechamento pela terceira sessão seguida.
Estimativa de inflação cai pela 11ª vez seguida para 3,26%

Estimativa de inflação cai pela 11ª vez seguida para 3,26%

Expresso
Instituições financeiras reduziram, pela 11ª vez seguida, a estimativa para a inflação este ano. Segundo pesquisa do Banco Central (BC) feita ao mercado financeiro, divulgada todas as segundas-feiras pela internet, a previsão para a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, desta vez passou de 3,28% para 3,26% em 2019. A previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi ajustada de 0,87% para 0,88% em 2019. A previsão para a cotação do dólar segue em R$ 4 e, para 2020, passou de R$ 3,95 para R$ 4.