15 de novembro de 2019Informação, independência e credibilidade
Alagoas

TV Gazeta realiza novas demissões, inclusive de readmitidos pelo MPT

Nova leva na empresa do senador Collor é mais uma sequência após greve contra redução do piso salarial em 40%

O clima no setor de RH da TV Gazeta de Alagoas, empresa das Organizações Arnon de Melo (OAM), do senador Fernando Collor, ficou sombrio mais uma vez. Nesta segunda-feira (26), aconteceu a demissão de 10 profissionais.

Os números não são oficiais, mas desta leva de baixas já se sabe que pelo menos sete deles foram demitidos pela segunda vez em menos de dois meses, já que haviam sido readmitidos após decisão judicial do Ministério Público do Trabalho (MPT), sob pena de multa diária de R$ 50 mil por infração.

Parte dos demitidos da TV Gazeta em julho, durante assembleia do Sindjornal

Muitos desligados são profissionais experientes que participaram da greve legal da categoria contra a redução salarial e perda de outros benefícios. A greve da categoria durou 9 dias e acabou após o pleno do Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região (TRT19) não só vetar a redução de 40%, como reajustar o piso dos jornalistas alagoanos.

Há 20 dias, na TV Pajuçara, a Record TV em Alagoas, as demissões também atingiram 14 profissionais que lutaram contra a redução do piso salarial. Eles ainda não foram readmitidos e para o Sindicato dos Jornalistas de Alagoas as demissões foram discriminatórias.

40 demitidos e diretor com salário de R$ 33 mil

Nesta semana, a Justiça do Trabalho em Alagoas barrou o diretor-executivo da Organização Arnon de Mello, Luiz Amorim, de ingressar com uma ação trabalhista no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) cobrando uma indenização de mais de R$ 1,1 milhão da TV Gazeta de Alagoas,

Chamou ainda a atenção da juíza do Trabalho Lúcia Costa Lima, titular da 8ª Vara do Trabalho de Maceió, o fato de Amorim receber um salário de R$ 33 mil na TV Gazeta e estar pedindo a homologação de acordo extrajudicial, enquanto mais de 40 funcionários das empresas de Collor aguardam há mais de um ano o pagamento das indenizações de pequeno porte.

A juíza levou em consideração em sua sentença os recorrentes descumprimentos de ordens judiciais perpetrados pelo grupo de comunicação do senador Fernando Collor, que em novembro do ano passado demitiu mais de 40 profissionais do jornal Gazeta de Alagoas e até hoje não honrou um acordo trabalhista sequer. Com tantas dívidas, até os prédios de Collor já foram a leilão.

Fernando Collor é dono das Organizações Arnon de Mello e já teve prédio leiloado para pagar dívidas

Concessão cancelada, dívidas e dossiê

A Justiça Federal em Alagoas (JFAL) já determinou o cancelamento da concessão, permissão ou autorização do serviço de radiodifusão sonora ou de sons e imagens outorgado à TV Gazeta de Alagoas Ltda, à Radio Clube de Alagoas Ltda e à Radio Gazeta de Alagoas Ltda.

A medida atende às razões apresentadas em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) em Alagoas, devido à participação de um senador da República – Fernando Collor de Mello – no quadro societário dessas empresas.

Em maio deste ano, o senador Fernando Collor de Mello (Pros-AL), principal acionista das empresas da família Collor, teve detalhada no UOL, pelo jornalista Carlos Madeiro, as dívidas de R$ 284 milhões com a União.

A reportagem mencionou a predileção do ex-presidente por mansões, obras de arte e carros de luxo em contraste com as dívidas, sendo que 95% desse valor milionário são em duas firmas do grupo: a TV Gazeta de Alagoas e o jornal Gazeta de Alagoas, ambos citados na ação penal contra Collor.

A OAM (Organização Arnon de Mello), que reúne um grupo de dez empresas que usam o nome Gazeta, tem grande parte de suas dívidas de R$ 147 milhões em dívidas de Imposto de Renda, PIS, Cofins e multas, além de ex-funcionários acusarem o não pagamento de direitos trabalhistas. São 173 ações na Justiça do Trabalho.

Um dossiê relatando a drástica queda da qualidade do jornalismo da TV Gazeta de Alagoas, bem como a incompatibilidade de convivência dos profissionais com os desmandos administrativos dentro da emissora, foi entregue a direção da Rede Globo de Televisão. O documento pede a intervenção na afiliada de Maceió.

TV Globo já chegou a fazer intervenção na Gazeta nos anos 80, devido a problemas semelhantes e em consequência do uso político da emissora pelo senador Fernando Collor (PTC), proprietário da televisão.

Os diretores da Globo tomaram conhecimento que “somente uma intervenção administrativa e, sobretudo, no jornalismo” poderá mudar o atual panorama desqualificação do padrão do jornalismo local, que macula a credibilidade da própria TV Globo.

 

2 Comments

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.